Quando os futuros pais, Shelly e Rob Wall, fizeram seu ultrassom de 20 semanas, eles esperavam ver um bebê saudável. Em vez disso, o casal britânico recebeu a notícia mais assustadora: seu bebê tinha uma série de condições médicas complexas que significavam que provavelmente não sobreviveria fora do útero.

Seu filho tinha espinha bífida, uma condição que impede a formação adequada da coluna vertebral de um bebê, levando inevitavelmente a defeitos na medula espinhal e nos ossos da coluna. Se isso não bastasse, o bebê ainda não nascido do casal também foi diagnosticado com hidrocefalia, uma doença que faz com que o crânio se encha de fluido.

Surpreendentemente, apesar de todas as advertências dos médicos para se preparar para o pior, o filho do casal nasceu vivo. Logo depois que ele veio ao mundo, eles o chamaram de Noah. Rapidamente, os médicos começaram a drenar o fluido de seu cérebro e avaliar seu estado geral. A família ficou arrasada ao saber que ele tinha apenas 2% de sua massa encefálica.

Inacreditavelmente, Noah foi capaz de comer e beber devido ao seu tronco cerebral permanecer intacto. Então a família mudou completamente suas perspectivas.

Três anos depois, Noah continuou a desafiar as probabilidades. Quando ele passou por uma tão esperada varredura do cérebro, os médicos ficaram pasmos – seu cérebro havia crescido exponencialmente. Depois de três anos, 80% de sua massa cerebral foi restaurada.

O Dr. Gregory Scott, médico principal de Noah e especialista em neurociência no Imperial College London, acredita que o shunt inserido para drenar o fluido craniano pode ter aberto espaço para as células cerebrais da criança se multiplicarem. Mas em termos da mecânica biológica de como ocorreu a regeneração, isso não tem explicação. Foi um milagre.

“Acho que o caso de Noah nos diz que precisamos olhar mais para as crianças e como o cérebro da criança atinge a plasticidade, sua resiliência”, disse o Dr. Scott ao The Passionate Eye. “Se pudermos aprender como ele faz isso, poderemos melhorar a recuperação de adultos e crianças após lesão cerebral.”

Agora com 6 anos, Noah ganhou força em seus anos de formação, superando todos os obstáculos que aparecem em seu caminho. Recentemente, ele escreveu seu próprio nome pela primeira vez.

“Noah está incrivelmente bem; ele pode escrever, ele sabe como soletrar seu nome, ele pode manter uma conversa”, disse Shelly Wall ao The Evening Chronicle no ano passado.

Ele também está se tornando um grande gênio em seu iPad. Ele pode manter conversas complexas e até mesmo falar para grandes multidões, sem medo! De acordo com sua mãe, Noah gosta até de piadas. Resumindo, é um milagre absoluto.

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de Nation.
Fotos: Reprodução.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


Compartilhar

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




DESTAQUES PSICOLOGIAS DO BRASIL
Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.