Cientistas desenvolveram um teste genético que mede os níveis plasmáticos de uma proteína adesiva chamada beta amilóide. Essa proteína pode começar a se acumular no cérebro de pacientes com Alzheimer décadas antes de haver sinais externos da doença. Uma varredura cerebral ou punção lombar geralmente é necessária para descobrir esses nódulos ou placas A-beta no cérebro. No entanto, as evidências indicam que os níveis de A-beta no sangue podem ser usados ​​para prever se uma pessoa tem ou não essas placas cerebrais.

O teste é baseado em 31 marcadores genéticos; isso pode se traduzir em um diagnóstico muitos anos antes do que aqueles com um perfil genético de baixo risco. Aqueles classificados entre os 10% superiores em termos de risco tiveram três vezes mais chances de desenvolver a doença de Alzheimer ao longo do estudo, e o fizeram mais de uma década antes dos que estavam nos 10% inferiores.

Rahul Desikan, da Universidade da Califórnia, disse que o teste pode ser usado para estimar o risco de qualquer indivíduo desenvolver a doença de Alzheimer.

Teste de pontuação

O chamado teste de pontuação de risco poligênico foi desenvolvido usando dados genéticos de mais de 70.000 pessoas. Incluindo pacientes com doença de Alzheimer e idosos saudáveis.

Sabe-se que a genética desempenha um papel na doença de Alzheimer. Cerca de um quarto dos pacientes tem um forte histórico familiar da doença. E os cientistas mostraram que isso é explicado em parte por um gene chamado ApoE, que é representado em três versões e é conhecido por ter uma poderosa influência no desenvolvimento da doença.

Novo foco

O último estudo adota uma nova abordagem. O que mostra que, além da ApoE, existem milhares de variações genéticas subjacentes que têm uma pequena influência no risco de Alzheimer; mas cuja influência cumulativa é substancial.

Os pesquisadores primeiro identificaram quase 2.000 diferenças de uma letra; no código genético (conhecido como SNP). Depois de classificá-los por influência, eles desenvolveram um teste baseado em 31 dos marcadores.

James Pickett, chefe de pesquisa da Sociedade de Alzheimer, disse que “prevenir o desenvolvimento de sintomas de demência é o santo graal da pesquisa de Alzheimer. Mas, para ter sucesso, primeiro precisamos de métodos precisos para prever quem tem maior probabilidade de desenvolver a doença. O foco deste estudo foi bem-sucedido em prever a probabilidade de alguém desenvolver demência no próximo ano, mas precisa ser testado em populações mais mistas e fora dos EUA. EUA. ”

Os resultados foram publicados originalmente na revista PLOS Medicine .

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de Nation.
Fotos: Reprodução.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


Compartilhar

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




DESTAQUES PSICOLOGIAS DO BRASIL
Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.