“Prometi a Deus que não tiraria um centavo de uma pessoa pobre e que ficaria em minha clínica para ajudar os pobres”, disse certa vez Mohammed Mashaly, um médico egípcio que faleceu em julho de 2020. Todo o país lamentou sua partida. É que o idoso de 76 anos exalava solidariedade e tinha um enorme coração.

Na sua despedida, muitas pessoas compareceram para mostrar o seu respeito e admiração por Mashaly, conhecido como “o médico dos pobres”, na sua cidade natal, Zahr El-Temsah, no norte do Egito. Seu corpo foi trazido da cidade de Tanta, onde morava e trabalhava.

As multidões que marcharam em seu cortejo fúnebre refletiam o amor, admiração e apreço que existia por Mashaly. Ele ficou famoso em seu país como o médico que aceitava menos de um dólar como pagamento por uma visita ao consultório. Ele apareceu em vários programas de televisão e reportagens, e muitas instituições estatais o homenagearam por seu trabalho e generosidade.

Os telespectadores ficaram particularmente comovidos com uma entrevista na televisão em que ele chorou ao falar de uma experiência que teve quando começou a trabalhar em um centro de saúde em uma área pobre.

“Um menino diabético veio até mim chorando de dor e dizendo à mãe para injetar insulina nele. A mãe respondeu ao menino dizendo-lhe que se ela comprasse a injeção de insulina não teria dinheiro para comprar comida para os irmãos. Eu ainda me lembro daquela situação difícil, que me fez decidir dedicar o meu conhecimento para o tratamento dos pobres”, disse ele .

O médico mantinha um salário baixo e às vezes não pedia dinheiro às pessoas mais pobres que atendia e também lhes dava remédios de graça.

Mashaly cresceu em uma família pobre. Ele lutou para educar seus próprios filhos e os filhos de seu irmão, mas ainda escolheu ajudar aqueles com menos recursos financeiros.

Oito anos depois de se formar, Mashaly abriu uma clínica particular na governadoria de Gharbeya, onde se tornou famoso pelas taxas reduzidas que cobrava dos pacientes. O seu dia de trabalho começava às 7h30 e continuava a receber pacientes até a oração do Magrebe. Em seguida, ele voltava para casa para comer antes de visitar duas outras clínicas em aldeias vizinhas para examinar os pacientes.

A União Médica Egípcia lamentou a perda de Mashaly e enviou suas condolências à família.

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de UPSOCL.
Fotos: Arabnews.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


Compartilhar

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




DESTAQUES PSICOLOGIAS DO BRASIL
Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.