“Nosso caminho até o bebê W começou em outubro de 2014, quando nossa família se mudou para Oklahoma (EUA). Todd e eu sabíamos que queríamos mais crianças e nós dois sempre nos sentimos levados à adoção e sabíamos que isso fazia parte de nossa jornada. Mal sabíamos que Deus tinha reservado um milagre incrível para nossa família.

Em 25 de novembro, nossa agência de adoção ligou e perguntou se Todd e eu poderíamos passar por lá para assinar alguns papéis rapidamente. Estávamos ocupados embalando as crianças e os cachorros para a nossa viagem ao lago para o Dia de Ação de Graças. Perguntei se poderíamos assinar os papéis quando voltássemos para a cidade, mas eles foram muito inflexíveis, afirmando que Todd e eu precisávamos comparecer na agência o mais rápido possível. Deixei Todd e as crianças em casa para continuar a fazer as malas e me preparei para pegar a papelada.

No meu caminho para fora da porta, Todd me disse que viu uma notícia sobre um menino que foi deixado em um pronto-socorro local com o cordão umbilical ainda preso. A mãe dele disse que era sem-teto e não podia cuidar dele. Eu disse: ‘Essa é a coisa mais triste de todas. Você acha que esse é o nosso bebê?’ Todd disse: ‘Duvido. Ele provavelmente está muito doente’, e lá fui eu pegar a papelada. Mal sabíamos naquele momento que a nossa vida estava prestes a ser abençoada além de qualquer compreensão.

Quando cheguei na agência, percebi que todos estavam chorando e a única coisa que lhes interessava era saber onde Todd estava. Eu temia o pior – que algo tivesse dado errado com nossa papelada – e finalmente perguntei: ‘Está tudo bem?’ Foi quando me entregaram um pedaço de papel com o título: ‘Mulher deixa recém-nascido na clínica de Tulsa’.

– Meu Deus, Todd acabou de me contar sobre esse pequenino – falei.

Eles responderam: ‘Você não tem mais papelada para assinar. Ele está esperando por você na UTI Neonatal. Ele é seu.’

Não há palavras para descrever todas as emoções que senti naquele momento. Eles explicaram que queriam que nós dois soubéssemos ao mesmo tempo que ser igual a W era nada menos que Deus. É por isso que eles estavam emocionados e chorando – eles tinham acabado de testemunhar Deus. Mesmo agora, isso traz arrepios e lágrimas. Ficamos impressionados com o fato de Deus nos ter escolhido para ser seus pais.

Então, como você diz ao seu marido e aos filhos grandes que temos um bebê esperando por nós? Eu não conseguia falar muito bem e sabia que não podia ligar, então fui para casa, sentei com eles e entreguei o artigo a Todd. Ele leu e disse: ‘Esta é a história que eu estava lhe contando’. Eu disse a eles: ‘Ele é nosso. Ele está esperando por nós!’

Nossos planos certamente tomaram uma direção diferente. Nós carregamos tudo, paramos na loja, compramos para ele um um cobertor cinza e fomos para o hospital. Achamos um nome com o qual todos concordamos. Quando chegamos, demoramos um pouco para chegar até ele, pois a única enfermeira que conhecia sua história era a enfermeira-chefe. Recebemos um número secreto de 4 dígitos para respondermos a ele.

Quando finalmente chegamos até ele, soubemos imediatamente que ele era nosso. Ele era tão perfeito! Ele não era o mais saudável dos bebês, mas com certeza estava aguentandp firme e lutando para viver. Seu crachá dizia Bebê desconhecido, o que partiu nossos corações.

Passamos a semana seguinte com ele na UTIN. Ele estava sendo monitorado como um astro do rock com sua própria enfermeira. Estávamos lá para as mamadas, corríamos para comprar mais coisas de bebê para o quarto dele e íamos de um lado para o outro. A certa altura, sua enfermeira mencionou que pensavam que ele estava sofrendo de abstinência e que estava preocupado, mas quando chegamos para sua próxima alimentação, ela disse que não – ele só ficava nervoso quando não estávamos ao seu lado. Oh, meu coração!

W chegou em casa e estava tudo bem!

Então começou o processo de adoção. Achamos que a papelada antes do processo de adoção era emocionalmente desgastante. Bem, isso não é nada comparado ao processo de adoção. Se você permitir, o medo e a dúvida podem dominá-lo. O estado tem sua agenda e processo que deve seguir e você apenas tem que seguir em frente.

O próximo Dia de Ação de Graças entrou para a história. W se tornou oficialmente nosso filho em 11 de novembro de 2016 e, no dia seguinte, nossa familia celebrou o Dia de Ação de Graças!

W é único. Ele é o filho de 2 anos mais saudável, feliz e cheio de vida. Ele trouxe muita diversão e alegria para nossa família. Deus moveu algumas grandes montanhas poderosas para alinhar nossos caminhos. É um grande lembrete de que o plano de Deus é melhor do que poderíamos imaginar. Queremos que todas as pessoas que oraram por ele saibam que suas orações foram respondidas antes de serem pronunciadas. Deus tem grandes planos para nosso pequeno e somos gratos por estarmos juntos nessa jornada!”

Esta história foi enviada contada por Amy, 43, de Tulsa, Oklahoma (EUA).

***
Redação Conti Outra, com informações de Inspire More.
Fotos: Reprodução/Facebook.

RECOMENDAMOS






Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.