– Essa foi a última viagem com meus filhos. Chega! – desabafou Érica, as lágrimas rolando pelas faces, com um misto de raiva, tristeza e frustração.

– E, se em vez de desistir de viajar com eles você delegasse toda a pesquisa para os três? Você apenas aprovaria o resultado final, a mão de obra ficaria com eles, que navegam na internet muito melhor do que a gente! – ponderou a amiga que ouvia o desabafo.

Érica ficou pensativa, o olhar fixo em um ponto no alto da parede da sala. Estava exausta após duas semanas de férias ouvindo reclamações por conta dos voos e dos hotéis que ela reservara. As cenas da viagem bailavam em sua mente: o mau-humor e as brigas entre os três durante os passeios; o total desinteresse de acompanhá-la para visitar museus e exposições; os pedidos incessantes para comprar mais uma roupa, pares de tênis, bolsas, mochilas e eletrônicos. A sensação dolorida de que, por mais que se esforçasse, não conseguiria deixar os filhos satisfeitos. A tristeza de, em nenhum momento, ouvir uma palavra de agradecimento e de reconhecimento pelo que ela proporcionara.

– Talvez eu tenha oferecido coisas demais desde que eles eram pequenos. Ficaram mal acostumados… Recebi tão pouco de meus pais, nada de viagens, nem de roupas bonitas. Mas eu dava muito valor às poucas coisas que ganhava. Vivíamos com poucos recursos. Então, eu agradecia, reconhecia o esforço deles.

– Agora você se mata de trabalhar para manter um bom padrão de vida e eles não estão nem aí pra você – retrucou a amiga. – É, pensando bem, talvez seja melhor viajar sozinha nas próximas férias!

Vejo isso acontecer em muitas famílias. Preocupados em “dar o melhor”, muitos pais não valorizam a cooperação, a partilha de tarefas e de responsabilidades. Afinal, se a casa é habitada por todos, cuidar do espaço coletivo é dever de todos. Cultiva-se pouco o hábito de agradecer o que é recebido, como se o simples fato de “ser filho” garantisse todos os direitos e nenhum dever. Os filhos crescem achando que os pais possuem recursos inesgotáveis, e devem estar sempre prontos para atender às solicitações incessantes. As eventuais recusas dão margem a reações explosivas, e a sensação de insatisfação torna-se crônica. Os pais que continuam fazendo “mais do mesmo” também ficam insatisfeitos, frustrados e decepcionados com tanta exigência e ingratidão.

A boa notícia nesse cenário desolador é que nunca é tarde para alterar padrões de relacionamento quando nos determinamos a começar a mudança dentro de nós. Todos temos muito a fazer para tentar melhorar esse mundo. Não dá para crescer achando que o mundo nos deve benefícios!

Viagem de férias, estresse, superproteção.

Imagem de capa: Shutterstock/Rawpixel.com

*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS


Maria Tereza Maldonado
É Mestre em Psicologia Clínica pela PUC-RIO, onde lecionou no Departamento de Psicologia. É membro da ABRATEF (Associação Brasileira de Terapia Familiar).Tem mais de 40 livros publicados sobre relações familiares, desenvolvimento pessoal e construção da paz, com mais de um milhão de exemplares vendidos.

COMENTÁRIOS