Quando uma porta é fechada, uma janela se abre. Os Estados Unidos, o maior financiador da Organização Mundial da Saúde (OMS), anunciaram na terça-feira, 14, que estavam retirando suas contribuições orçamentárias para a entidade que está na vanguarda da luta contra o coronavírus. Um dia depois, o segundo maior doador da organização em todo o mundo, a Fundação Bill e Melinda Gates, informou que aumentará sua contribuição para a batalha contra a pandemia, para US $ 250 milhões. Essa contribuição será dividida entre diferentes iniciativas e entidades, incluindo a própria OMS. As informações são do El País.

Sobre a atitude do governo dos Estados Unidos, Melinda Gates, disse: “Parar de financiar a OMS não faz absolutamente nenhum sentido durante uma pandemia. Precisamos de uma resposta global coordenada. Quando você está em uma crise como esta, tudo está em risco. gesto muito perigoso”.

Conforme explicado pela OMS em sua página, seu financiamento provém das contribuições orçamentárias de governos, entidades privadas e fundações de doadores. Esses valores são divididos em parcelas fixas e contribuições voluntárias. Os Estados Unidos contribuíram com quase US $ 900 milhões no orçamento para 2018-2019, o que representa aproximadamente um quinto do total de US $ 4,4 bilhões nesses dois anos. É o principal contribuinte com 14,6% de seus fundos. A Fundação Gates contribui com 9,8% (530 milhões). A Espanha contribui com 26 milhões.

A fundação Bill e Melinda Gates, projeto filantrópico sobre saúde global, pobreza e igualdade a que o Gates se dedica há anos, anunciou, especificamente, que adicionaria 150 milhões de dólares aos 100 que já contribuíram há pouco mais de um mês e que desejam alocar para o desenvolvimento de diagnósticos, terapias e vacinas. Para esse fim, eles lançaram o Acelerador Terapêutico Covid-19 ao lado de outra grande organização filantrópica global, Wellcome Trust. É um mecanismo de coordenação entre diferentes grupos de trabalho em todo o mundo que procuram um tratamento eficaz contra o novo vírus. Vários doadores aderiram a essa iniciativa. O primeiro foi a Mastercard, que contribuiu com US $ 25 milhões. O criador do Facebook, Marck Zuckerberg, juntou-se logo depois com outros 25 milhões e um dos mais recentes foi Madonna, com um milhão de dólares.

***
Destaques Psicologias do Brasil.
Foto destacada: SKANDAR / BERNAMA / DPA.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


Compartilhar

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




DESTAQUES PSICOLOGIAS DO BRASIL
Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.