Nos últimos 20 anos, Brian Hulleberg se perguntou o que tinha acontecido com sua mãe biológica.

Os pais adotivos de Brian sempre foram abertos e honestos sobre sua adoção, mas ele nunca teve nenhum contato com a mulher que lhe deu a vida. Tudo o que ele sabia era que o nome dela era Holly, e ela tinha apenas 15 anos quando fez a difícil escolha de desistir de sua criação.

Angela e Brian Hulleberg proporcionaram a Benjamin uma família amorosa e uma vida boa. Ele agora tem 20 anos e trabalha como professor substituto do ensino médio. Em seu tempo livre, ele é voluntário no Hospital St. Mark, em Salt Lake City, no estado de Utah, Estados Unidos. Sem que ele soubesse, sua mãe biológica Holly Shearer passou a trabalhar no mesmo hospital como assistente médica. Ao longo dos anos, não há dúvida de que seus caminhos se cruzaram, mas nenhum deles sabia que eram mãe e filho.

Holly tem agora 35 anos e sua própria família, mas nunca deixou de pensar no bebê que deu para adoção duas décadas antes.

“Ele estave sempre em minha mente”, lembrou ela. “Mais ainda nas férias e no aniversário dele. Era uma montanha-russa de emoções. Eu pensava nele o tempo todo.”

Quando Ben completou 18 anos, Holly fez algumas investigações na internet e encontrou sua página no Facebook. Ela ficou emocionada ao ver que ele estava indo tão bem com sua vida e preferiu não entrar em contato, com medo de que acabar desestabilizando o rapaz. No entanto, ela não deixou de acompanhar o rapaz pelas redes sociais.

Enquanto isso, Ben também estava procurando por Holly. Ele fez um teste de DNA na esperança de encontrar uma conexão com sua mãe biológica e se inscreveu em um registro de adoção. Mas foi só em seu aniversário de 20 anos que ele finalmente recebeu uma mensagem da mulher que o trouxe ao mundo.

“Quando ela me explicou quem ela era, isso me atingiu como um monte de tijolos”, disse Ben. “Eu estava chorando. Foram emoções muito positivas, mas para mim, este é o dia que eu mais esperei nos últimos 20 anos da minha vida e imaginar que finalmente estava acontecendo era muito para assimilar.”

Para surpresa de Holly, Ben estava ansioso para encontrá-la pessoalmente. Eles combinaram de se reunir com seus pais adotivos e sua família no dia seguinte.

“Eu não estava disposto a esperar mais”, disse Ben. “Esperei 20 anos e isso foi tempo suficiente para mim.”

Holly diz que “a alegria simplesmente me inundou” quando eles se conheceram. Eles se abraçaram e choraram juntos por muito tempo, ambos em completa descrença de que finalmente se encontraram novamente.

“Quando a vi, ela se levantou, me deu um abraço e eu chorei”, lembrou Ben. “Eu apenas olhei para ela e pensei: ‘Você é real, como se estivesse na minha frente.’ E foi surreal.”

Ben disse que foi um “sonho que se tornou realidade” finalmente conhecer Holly. Eles ficaram impressionados ao descobrir que estavam trabalhando juntos há anos sem nunca saber disso.

“Todas as manhãs, eu entrava no pavilhão das mulheres para trabalhar”, disse Holly. “Então todos os dias eu passava direto pela UTIN, onde ele trabalha como voluntário. Estacionamos na mesma garagem, poderíamos estar no mesmo andar, não tínhamos ideia de que estávamos tão perto.”

Holly e Ben estão agora conhecendo um ao outro e suas famílias. Ben espera que outras pessoas adotadas conheçam sua história e nunca deixem de ter esperança de encontrar seus pais biológicos. Ele diz que a experiência foi “muito curativa” e preencheu um buraco em sua vida que ele nem sabia que existia.

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de Inspire More.
Fotos: Reprodução/Facebook.

RECOMENDAMOS






Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.