Chris Blattman, um economista e professor que estuda conflitos globais na Universidade de Chicago, foi o responsável por ampliar um projeto revolucionário que ajudou a reduzir o crime e a violência pela metade na Libéria, país da África Ocidental. O programa consiste em oferecer terapia e ajuda financeira a jovens infratores do país.

Em seu estudo de acompanhamento, Chris Blattman e seus colegas calcularam quase 350 crimes a menos por jovem participante do programa ao longo de uma década.

“Foi o projeto mais inesperado da minha vida”, disse Blattman no Twitter. “Mudou a forma como as cidades lidam com a violência, de Bogotá a Chicago”.

Para Chris Blattman, tudo começou em 2009, quando ele voou com sua esposa para a Libéria para passar duas semanas de férias enquanto ela pesquisava sobre a reintegração de ex-combatentes da guerra. Analisando a situação do país, Chris se perguntou o que poderia ser feito na capital (Monróvia) para diminuir os índices de violência, então ligou para Johnson Borh.

“Ele era um combatente na guerra e agora dirigia algum tipo de ONG. Ele parecia conhecer todo mundo e ser capaz de ir a todos os lugares. Então pedi a ele para me mostrar como funcionava o crime e os mercados de entorpecentes.”

A partir daí, Johnson Borh apresentou a Chris Blattman muitos jovens infratores como batedores de carteira, e lugares frequentados por criminosos, como o esconderijo de drogas administrado por um ex-chefe do esquadrão antiterror.

“Mas toda vez que íamos a um desses lugares sombrios, tinha um cara na esquina engraxando sapatos ou vendendo roupas no carrinho de mão, ou outra coisa bem básica. Essa pessoa via Borh, ficava animada e vinha dar-lhe um abraço.”, contou Blattman.

“Eu perguntava para aqueles trabalhadores,’Como você conhece Borh?’, e sempre ouvia a mesma resposta: ‘Eu costumava ser como eles’, e eles apontavam para o esconderijo de drogas ou batedores de carteira. “Mas então eu passei pelo programa de Borh.”

Após a sexta vez que isso aconteceu, Chris fez Borh contar tudo sobre o programa, batizado como ‘Transformação Sustentável da Juventude na Libéria’.

O que exatamente o programa faz?

Chris sentou-se com Borh no bar por duas tardes e eles escreveram exatamente o que ele fazia com os homens durante o programa de 8 semanas projetado para transformar suas vidas.

Quando sua esposa voltou das aventuras de mineração na selva, Chris mostrou os escritos e perguntou, “O que isso parece para você?”, no que ela, que é psicóloga, respondeu de pronto: “Ah, isso parece TCC – Terapia cognitiva comportamental”,

“Eu nunca tinha ouvido falar disso”, disse Chris. “Mas é um método comum de mudança de comportamento para muitas coisas, como ansiedade.”

Por 15 anos, por tentativa e erro, Borh e seus colegas adaptaram o conceito para lidar com a violência e o crime.

“Ele e sua organização recrutavam os homens mais perigosos da cidade. Pessoas que levaram vidas de violência. Os homens se encontravam em prédios abandonados, em grupos de talvez 20, ao longo de algumas horas por dia. Johnson treinou alguns conselheiros e eles ganhavam a vida no programa.”, explicou Chris.

Em parte, os jovens aprenderiam e praticariam mudanças de comportamento, como controlar a raiva e interações sociais difíceis. Mas eles também estavam experimentando e praticando uma nova identidade. “O programa os encorajou a parar de se vestir e agir como criminosos.

“Então, fizemos uma parceria com o programa desenvoilvido por Borh. Nós executamos um piloto, medimos os impactos e concluímos que era realmente promissor”, explica Chris. “Também tentamos dar aos homens US$ 200, para ver se isso os ajudava a solidificar a nova identidade e comportamentos”.

Eles acompanharam os homens de perto, porque estavam preocupados que eles pudessem usar o dinheiro para consumir drogas ou investir em armas.

“Obtivemos bons resultados, então recrutei alguns colegas para ajudar a realizar um estudo em larga escala. Aumentamos a escala do programa, levantamos um milhão de dólares e realizamos um enorme estudo com 999 dos homens mais durões de Monróvia.”

Eles acompanharam os homens durante um mês. Um ano depois, descobriram o impacto impressionante que o programa havia causado em suas vidas.

50% superaram seus comportamentos destrutivos

Crime, violência e comportamentos antissociais foram reduzidos em cerca de 50% entre aqueles que receberam a terapia e o dinheiro. Receber apenas a terapia pareceu diminuir um pouco seu impacto ao longo do tempo.

A maioria das evidências apontava para a assistência econômica como uma grande chave para ajudar os homens a consolidar suas mudanças de comportamento e evitar o retorno ao crime.

O programa se tornou um sucesso tão grande que as pessoas começaram a replicar as ideias de Borh em todo o mundo.

“Até Chicago adotou isso como uma resposta principal ao pico de crimes com armas de 2016. Chama-se READI .”

Há grandes lições aqui, diz Chris, autor de um novo livro, ‘Why We Fight: The Roots of War and the Paths to Peace’ (‘Por que lutamos: as raízes da guerra e os caminhos para a paz’, em livre tradução do inglês).

A violência armada está aumentando nas Américas e as cidades precisam de soluções. Todas as evidências sugerem que programas informados sobre TCC são formas rápidas, eficazes, hiperdirecionadas e não coercitivas de reduzir a violência.

“O fato de a TCC funcionar sugere insights mais profundos sobre por que lutamos como seres humanos e o que poderia contribuir para um mundo mais pacífico”, disse Chris. “São programas de socialização, e neles vejo um microcosmo do que o sociólogo Norbert Elias chamou de Processo Civilizador.”

Parte de nossa paciência, contenção, empatia e consideração está impregnada em nossos genes, mas principalmente é aprendida e reforçada. O autocontrole é um hábito. Assim como olhar para o futuro, controlar sua raiva, reconhecer seus preconceitos ou tentar ver o mundo de outro ponto de vista.

“Algumas pessoas precisam apenas de um pouco de ajuda corretiva para aprender a controlar sua raiva, reconhecer seus preconceitos ou tentar ver o mundo de outro ponto de vista – os atiradores de Chicago ou os criminosos de rua na África Ocidental. Pessoas como Borh nos mostram como os assistentes sociais podem refazer suas próprias sociedades e que a paz é o produto dessa socialização entre pares”.

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de Good News Network e Razões Para Acreditar.
Fotos: Chris Blattman/Razões Para Acreditar.

RECOMENDAMOS






Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.