Como qualquer criança feliz, Ivy McLeod está cheia de sorrisos e maravilhada ao descobrir o mundo ao seu redor. A atividade favorita de Ivy é colorir, mas como ela nasceu sem mãos, Ivy segura os marcadores entre os dedos dos pés para criar suas obras-primas infantis.

Aos 2 anos, a mãe de Ivy, Vanessa, diz que sua filha não está totalmente ciente do motivo pelo qual outras crianças têm mãos e ela não. Ela sabe que é apenas uma questão de tempo antes que Ivy comece a fazer algumas perguntas difíceis.

Para se preparar para a conversa inevitável, McLeod teve a ideia de dar a Ivy um cachorrinho que tinha diferenças de membros semelhantes como uma forma de mostrar que ser diferente e ser bonito não são coisas diferentes.

Ela queria poder dizer a Ivy: “Você sabe que nasceu assim, mas diferente é lindo e este cachorrinho também nasceu assim e isso também é uma coisa linda”, McLeod explicou em uma entrevista ao CTV News.

McLeod estava preocupada em encontrar um filhote que se encaixasse no perfil, mas aconteceu que um bebê peludo de três patas nasceu em Vancouver, no bairro de British Columbia, poucas semanas após o início da busca.

Além de ser uma forma de ajudar Ivy a entender o que a torna diferente e não a diferencia, McLeod vê o vínculo que sua filha e Lucky compartilham à medida que crescem e enfrentam novos desafios como uma oportunidade de mudar a percepção das pessoas.

“Eu amo tudo que é diferente sobre ela”, disse McLeod ao CTV, “então encorajo as pessoas a não verem as deficiências como algo triste ou digno de pena, mas algo a ser celebrado.”

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de Good News Network.
Fotos: Reprodução/Instagram.

RECOMENDAMOS






Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.