Uma australiana de 35 anos foi abençoada com o dobro da alegria que ela esperava quando deu à luz dois filhos gêmeos que foram concebidos com dias de diferença – um naturalmente e o outro via fertilização in vitro.

Depois de ser diagnosticada com síndrome do ovário policístico (SOP) quando ela tinha 15 anos, é algo que Kimberley Tripp, de Brisbane, Queensland, nunca pensou que seria possível. A condição, marcada por um desequilíbrio dos hormônios reprodutivos, pode dificultar a gravidez das mulheres devido à ovulação irregular.

É possível conceber e dar à luz, e Tripp tentou. Mas, eventualmente, Tripp e seu marido [que desejava não ser identificado] optaram pela fertilização in vitro, uma solução para muitas mulheres com SOP que têm problemas para engravidar.

Em julho de 2019, após quatro rodadas anteriores de fertilização in vitro, ela descobriu que estava grávida depois que um dos embriões foi fertilizado com sucesso em um laboratório.

“Foi algo que pensamos que nunca aconteceria”, disse Tripp ao Caters News.

Mas, semanas depois, a gerente do escritório soube que sua sorte dobrou, pois ela estava grávida não de um bebê, concebido por fertilização in vitro, mas de dois, o outro dos quais escapou à moda antiga. Isso significaria que os dois fetos seriam efetivamente gêmeos, apesar de terem ganhado vida com uma diferença de uma semana – um fenômeno médico denominado superfetação.

“Fiquei em choque total”, disse Tripp. “Transferimos apenas um embrião, por isso não consegui perceber o que aconteceu. Não podíamos acreditar. Eu nunca soube que algo assim fosse possível.”

Em março de 2020, Tripp deu à luz seus dois filhos saudáveis, Leo e Patrick.

Os médicos disseram à nova mãe que seu regime completo de fertilidade durante a fertilização in vitro pode ter desencadeado seus próprios processos naturais, tornando mais possível para ela conceber naturalmente.

“Meu marido e eu não pensamos em usar proteção durante o processo de fertilização in vitro, porque eu não ovulo”, disse Tripp. “O motivo da FIV em primeiro lugar.”

Agora, com 15 meses, seus meninos gêmeos já estão ganhando vida: Patrick, o “determinado” e Leo, o “brincalhão”, disse Tripp.

“Agora sinto que meu mundo está completo”, disse ela. “Estamos muito felizes.”

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de New York Post.
Fotos: Caters News Agency.

RECOMENDAMOS






Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.