Uma mãe do Reino Unido passou sete semanas em coma depois de adoecer com Covid-19 durante a gravidez. Quando acordou, descobriu que tinha dado à luz sua filha.

Laura Ward, 33, foi sedada para uma cesariana de emergência na 31ª semana – mais de dois meses antes de sua data prevista para o parto – 15 de outubro.

Felizmente, tudo estava bem com sua bebê, que nasceu no Hospital Royal Bolton pesando 1,6 kg. Apesar de passar cinco semanas na unidade neonatal, a menina batizada como Hope agora está em forma e saudável, com 4,8 kg.

No entanto, para Laura foi apenas o início de uma provação terrível da qual a família temeu que ela nunca se recuperasse.

A professora assistente da Escola Primária Tyldesley havia iniciado as férias de verão com ‘um pouco de tosse’. Um teste de fluxo lateral concluiu que ela não tinha Covid-19, mas quando ela não melhorou, decidiu fazer um PCR, que deu positivo.

Seguindo a orientação de se isolar, ela teve dificuldade para respirar e, depois de ligar para a emergência para obter conselhos, foi orientada a ir ao hospital. Com sua condição piorando no hospital, ela foi enviada para a maternidade para cuidar da gestação e foi informada de que teria que dar à luz mais cedo do que previa.

A última coisa de que ela se lembra é de voltar para a ala de Covid-19. Apesar de ter sido informada de que ela acenou com a cabeça para dar consentimento ao parto de Hope, não tem nenhuma lembrança.

Seu parceiro John Leece foi chamado ao hospital, mas, devido às restrições da Covid-19, não foi autorizado a entrar na sala de parto.

A próxima lembrança de Laura foi acordar sete semanas depois, em 30 de setembro, para ser saudada com a visão da filha preciosa que ela nem sabia que tinha dado à luz.

Laura disse: “Abri os olhos para ver Hope na cama comigo, mas não conseguia mover nenhuma parte do meu corpo. Tudo o que pude fazer foi sacudir e acenar com a cabeça.”.

Depois de fazer traqueostomia e colocar tubos de alimentação, se passaram duas semanas antes que Laura conseguisse falar e, desde então, ela teve que reaprender a fazer as atividades diárias mais básicas.

“Foi frustrante porque eu não conseguia falar, não conseguia mover meus braços ou mãos, também não fui capaz de escrever nada que eu quisesse dizer. Tive que aprender a me alimentar sozinha, escovar os dentes, todas as coisas que você aprende quando criança, é como aprender tudo de novo.”, contou.

Os músculos de suas pernas haviam se deteriorado ao longo das semanas e foi apenas no início de dezembro que ela conseguiu andar novamente – primeiro percorrendo o corredor do hospital com uma moldura e depois segurando a mão de seu filho de três anos William.

São aquelas semanas perdidas com ele e Hope que Laura está mais ansiosa para compensar quando finalmente puder voltar para casa.

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de Daily Mail.
Fotos: Reprodução.

RECOMENDAMOS






Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.