Olga Alyokhina, 33, de Chelyabinsk, na Rússia, está tentando desesperadamente descobrir se seu próprio filho nasceu de outra mulher.

Ela suspeita que os pais biológicos de seu filho Denis, agora com dois anos, podem estar criando seu filho.

Ela revelou o pesadelo da troca de embriões na tentativa de encontrar uma mulher que conheceu em uma clínica de fertilização in vitro que ela acredita ter recebido por engano seu óvulo fertilizado.

Olga recebeu uma indenização de £ 29.500 pelo Centro Perinatal Regional de Chelyabinsk, administrado pelo estado, onde ela se submeteu ao procedimento.

Ela escolheu se submeter à fertilização in vitro devido à dificuldade de engravidar do segundo marido, Ivan Alyokhin.

“No dia em que fui para a extração de biomaterial, conheci uma mulher na mesma enfermaria”, disse ela.

“Trocamos algumas palavras, mas simplesmente não consigo lembrar o nome dela. Ela disse que 10 óvulos foram retirados dela, o mesmo que eu.

‘Nós nos encontramos novamente na’ inseminação ‘, compartilhando a mesma enfermaria … Eu não a vi desde então.’

Olga deu à luz em novembro de 2018, Denis, que estava nove semanas prematuro.

Antes de sair do hospital, a nova mãe ficou surpresa com o grupo sanguíneo de seu filho – A.

“Meu tipo de sangue é B, meu marido tem O. Nosso filho não pode ter esse tipo de sangue”, disse ela.

“O médico me garantiu que era tecnicamente possível. Pesquisei no Google o esquema que mostra que nossos tipos de sangue não podem levar a uma criança com A. ‘

Ela disse: ‘Minha vida virou de cabeça para baixo. Eu estava em profundo estado de choque e pânico. Eu uivei o dia todo, mas não consegui contar o motivo para ninguém. ‘

Os médicos fizeram novos exames de sangue e de DNA, com os resultados prontos três meses após o parto.

“Recebemos um telefonema do hospital e entramos. Disseram que nenhum de nós era o pai biológico de nosso filho.”

Nesse momento, o hospital sugeriu que ela deixasse o menino em um orfanato, mas Olga se comprometeu a aceitá-lo e criá-lo como seu filho.

O hospital se recusou a divulgar o nome da outra mulher na enfermaria de Olga, ou de qualquer outra mãe de fertilização in vitro que pode ter recebido o implante incorreto de seu óvulo.

Olga, uma confeiteira, disse: ‘Se os encontrarmos – adoraríamos estabelecer contactos normais.

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de Metro.
Fotos: Reprodução/East2west.

RECOMENDAMOS






Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.