Kimberly Holden é uma americana de 31 anos interessada em adotar crianças desde muito jovem , graças às tias que a inspiraram a fazê-lo. “Quando eu era pequena, sempre soube que queria adotar. Três de minhas tias abriram seus corações e lares para crianças que não eram biologicamente delas, e isso despertou algo em meu coração que permaneceu comigo até a idade adulta”, disse ela ao Love What Matters.

Com uma vida inteira pela frente, Kimberly se casou aos 21 anos e o desejo de adotar um filho continuou mais forte do que nunca, mas não para o marido, que não queria. A vida de casada durou três anos e, após o divórcio, ela continuou com sua forte convicção, segundo a LWM.

Em 2011, tornou-se mãe provisória, ou seja, cuidou por um tempo de criançãs sem lar até reuni-las com seus pais biológicos novemante, mas elka não podia negar que sentia nervosismo comum ao tentar iniciar algo que exige tanta responsabilidade e principalmente sendo solteira. “Fiquei muito animada para começar esta jornada, mas também um pouco nervosa, porque estava fazendo isso como mãe solteira. Na minha classe, eu era a única pessoa solteira ali. Todos os outros estavam lá com seus cônjuges e no começo eu me senti estranha por estar lá, mas eu sabia que não poderia desistir. Eu tinha um propósito a cumprir”, disse ele ao mesmo canal.

Foram um total de cinco crianças que cresceram e se reuniram com suas famílias biológicas, o que foi doloroso para ela. “Cada vez que eu tinha que dizer adeus a uma criança preciosa, meu coração doía muito. Parecia a perda de um membro da família.” Até que um dia, Kimberly conheceu Elizabeth, uma bebê de oito meses que precisava de sua ajuda. “Quando ela apareceu com a assistente social, percebi que ela não era negra, mas não me importei. Ela precisava de mim ”, disse ela ao Love What Matters.

Para ela não era um obstáculo a bebê ser de outra etnia que não a mesma que a dela, entretanto, o fato despertava o olhar julgador de algumas pessoas quando eram vistas juntas. “Muitas pessoas me olharam de forma estranha e maluca enquanto estávamos juntas. Eles pareciam pensar ‘Ela é a babá’ ou ‘Será que ela sequestrou a bebê?’” , comentou. “Quando eu estava na academia, uma mãe me chamou de babá em outro idioma (Au Pair). Quando eu disse a eles que sou a mãe, eles disseram “Ohhhh. Então ele deve se parecer com o pai.”, contou Kimberly.

Enquanto eu estava na fila das lojas, as pessoas olhavam para mim, então eu dizia em voz alta para Elizabeth: ‘Mamãe te ama!’ E ela respondia: ‘Eu te amo mamãe'”, acrescentou.

O tempo passou e a assistente social de Elizabeth notificou Kimberly que sua filha adotiva tinha um irmão recém-nascido chamado Edgar, que ela concordou em criar, apesar de ser difícil. Em 2015, ela adotou legalmente Elizabeth e em 2018, Edgar. “Agora minha família está completa. Eu tenho minha filha e meu filho. Embora nos vejamos como uma família, há muitas pessoas que não (…) Agora me perguntam ousadamente online: ‘Por que você adotou essas crianças brancas? Há muitas crianças negras que precisam de um lar. Você não se preocupa com seu próprio povo? Você tem um caso de ódio a si mesma”. As pessoas me chamam com apelidos maldosos e depreciativos porque sou negra e meus filhos não”, disse ela ao Love What Matters .

“O amor vai além da cor da pele. Não importa a cor de alguém. Amo eles! Estou muito feliz por poder compartilhar minha história com pessoas ao redor do mundo para inspirá-las, encorajá-las e informá-las”, disse a orgulhosa mãe à LWM.

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de UPSOCL.
Fotos: Cortesia de Kimberly Holden/Love What Matters.

RECOMENDAMOS






Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.