Pesquisadores da Universidade Lund, na Suécia, conseguiram restaurar a mobilidade e a sensação de toque em ratos afetados por acidente vascular cerebral, reprogramando as células da pele humana e transplantando-as para o cérebro.

“Seis meses após o transplante, pudemos ver como as novas células haviam reparado os danos causados ​​por um derrame no cérebro dos ratos”, diz o professor Zaal Kokaia, um dos pesquisadores do estudo.

Vários estudos anteriores da equipe de Lund e outros mostraram que é possível transplantar células nervosas derivadas de células-tronco humanas ou de células reprogramadas em cérebros de ratos afetados por acidente vascular cerebral. No entanto, não se sabia se as células transplantadas podem formar conexões corretamente no cérebro de ratos de uma maneira que restaure os movimentos e sentimentos normais.

“Usamos técnicas de rastreamento, microscopia eletrônica e outros métodos, como a luz, para desligar a atividade nas células transplantadas, como forma de mostrar que elas realmente se conectaram corretamente nos circuitos nervosos danificados. Pudemos ver que as fibras das células transplantadas cresceram para o outro lado do cérebro, o lado em que não transplantamos nenhuma célula e criamos conexões. Nenhum estudo anterior mostrou isso ”, diz Kokaia, que – apesar estar estudando o cérebro há várias décadas – ficou surpreso com os resultados.

O estudo foi publicado no Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS) no mês passado.

“É notável descobrir que é realmente possível reparar um cérebro danificado por um derrame e recriar conexões nervosas que foram perdidas”, diz Lindvall. “O estudo acende a esperança de que, no futuro, seja possível substituir células nervosas mortas por novas células nervosas saudáveis ​​também em pacientes com AVC”.

Os pesquisadores usaram células da pele humana que foram reprogramadas em laboratório para se tornarem células nervosas. Eles foram então transplantados para o córtex cerebral de ratos, na parte do cérebro que é mais danificada após um derrame. Agora, os pesquisadores realizarão novos estudos.

“Queremos saber mais sobre como as células transplantadas afetam o hemisfério oposto do cérebro. Também queremos examinar mais de perto como um transplante afeta funções intelectuais, como a memória. Além disso, estudaremos os possíveis efeitos colaterais ”, diz Kokaia. “A segurança é, obviamente, extremamente importante para o transplante de células, se for usado clinicamente no futuro.”

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de Good News Network.
Imagem Destacada: Reprodução.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


Compartilhar

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




DESTAQUES PSICOLOGIAS DO BRASIL
Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.