Cientistas da Universidade de Leeds descobriram que uma terapia diária curta por duas semanas para pessoas com mais de 55 anos levou a melhorias fisiológicas e de bem-estar, incluindo melhor qualidade de vida, humor e sono.

A terapia, chamada estimulação do nervo vago transcutânea, fornece uma corrente elétrica pequena e indolor ao ouvido, que envia sinais ao sistema nervoso do corpo através do nervo vago.

Suas medições mostraram que a terapia pode ajudar a proteger as pessoas de doenças crônicas às quais nos tornamos mais propensos à medida que envelhecemos, como pressão alta, doenças cardíacas e fibrilação atrial.

Os pesquisadores, que publicaram suas descobertas nesta semana na revista Aging , sugerem que a terapia de “cócegas” tem o potencial de ajudar as pessoas a envelhecer de forma mais saudável, recalibrando o sistema de controle interno do corpo – também conhecido como sistema nervoso autônomo.

“O ouvido é como um portal através do qual podemos mexer com o equilíbrio metabólico do corpo, sem a necessidade de medicação ou procedimentos invasivos”, disse a autora do estudo, Beatrice Bretherton, da Escola de Ciências Biomédicas da Universidade de Leeds. “Acreditamos que esses resultados são apenas a ponta do iceberg”.

“Estamos muito animados para investigar mais sobre os efeitos e potenciais benefícios a longo prazo da estimulação diária do ouvido, como temos visto uma grande resposta ao tratamento até agora”, acrescentou.

O sistema nervoso autônomo controla muitas das funções do corpo que não requerem pensamento consciente, como digestão, respiração, batimentos cardíacos e pressão arterial. Ele contém dois ramos, o simpático e o parassimpático, que trabalham um contra o outro para manter um corpo saudável. O ramo simpático ajuda o corpo a se preparar para a atividade de “luta ou fuga” de alta intensidade, enquanto o parassimpático é crucial para atividades de baixa intensidade, como “descanso e digestão”.

À medida que envelhecemos, e quando estamos combatendo doenças, o equilíbrio do corpo muda de tal forma que o ramo simpático começa a dominar. Esse desequilíbrio nos torna mais suscetíveis a novas doenças e leva ao colapso da função corporal saudável à medida que envelhecemos.

Há muito tempo, os médicos têm se interessado pelo potencial de usar correntes elétricas para influenciar o sistema nervoso. O nervo vago, o principal nervo do sistema parassimpático, tem sido freqüentemente usado para estimulação elétrica e pesquisas anteriores analisaram a possibilidade de usar a estimulação do nervo vago para combater depressão , epilepsia , obesidade, derrame cerebral, zumbido e problemas cardíacos.

No entanto, este tipo de estimulação requer cirurgia para implantar eletrodos na região do pescoço, com despesas associadas e um pequeno risco de efeitos colaterais. Felizmente, existe um pequeno ramo do nervo vago que pode ser estimulado sem cirurgia, localizado na pele de partes específicas do ouvido externo.

Em Leeds, estudos anteriores de pesquisas controladas mostraram que a aplicação de um pequeno estímulo elétrico ao nervo vago no ouvido, que algumas pessoas percebem como sensação de cócegas, melhora o equilíbrio do sistema nervoso autônomo em indivíduos saudáveis ​​de 30 anos de idade.

Outros pesquisadores em todo o mundo estão investigando se essa estimulação transcutânea do nervo vago poderia fornecer uma terapia para condições que variam de problemas cardíacos a saúde mental.
Em seu novo segundo estudo desta terapia (o primeiro incluiu uma intervenção simulada com placebo), cientistas da Universidade de Leeds queriam ver se o NVV poderia beneficiar pessoas com mais de 55 anos, que são mais propensas a ter desequilíbrio de sistemas autônomos que podem contribuir para problemas de saúde associados ao envelhecimento.

Eles recrutaram 29 voluntários saudáveis, com 55 anos de idade ou mais, e deram a cada um deles a terapia de NVR durante 15 minutos por dia, durante um período de duas semanas. Os participantes foram ensinados a auto-administrar a terapia em casa durante o estudo.

A terapia levou a um aumento na atividade parassimpática medida e a uma diminuição na atividade simpática, reequilibrando a função autonômica em relação àquela associada à função saudável. Além disso, algumas pessoas relataram melhorias nas medidas de saúde mental e padrões de sono.

Ser capaz de corrigir esse equilíbrio de atividades pode nos ajudar a envelhecer de forma mais saudável, além de ter o potencial de ajudar pessoas com vários distúrbios, como doenças cardíacas e alguns problemas de saúde mental. Além disso, melhorar o equilíbrio do sistema nervoso autônomo reduz o risco de morte de um indivíduo, bem como a necessidade de medicação ou visitas hospitalares.

Os pesquisadores descobriram que os indivíduos que apresentaram o maior desequilíbrio no início do estudo experimentaram as melhorias mais pronunciadas após receberem a terapia.
Novos estudos são necessários para entender quais podem ser os efeitos a longo prazo para a saúde da NVT, já que este estudo envolveu um pequeno número de participantes, durante um curto período de tempo.

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de Good News Network.
Foto destacada: Reprodução/Instagram Lyn Slater.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




DESTAQUES PSICOLOGIAS DO BRASIL
Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.