Cientistas da Faculdade de Medicina da Universidade de Stanford descobriram que uma “vacina” administrada diretamente a células cancerígenas em camundongos é capaz de remover todos os vestígios desses tumores. A ‘vacina’ funciona em muitos tipos de câncer, incluindo metástases não tratadas no mesmo animal.

Esse potencial tratamento foi desenvolvido usando dois agentes que estimulam o sistema imunológico do corpo; e atualmente está sendo realizado um ensaio clínico em pacientes humanos com linfoma.

“Quando usamos esses dois agentes juntos, vemos a eliminação de tumores por todo o corpo”; disse o pesquisador oncologista Ronald Levy.

“Essa abordagem evita a necessidade de identificar alvos imunológicos específicos para tumores e não requer ativação do sistema imunológico ou personalização das células imunológicas de um paciente”.

Imunoterapia de baixo custo?

A imunoterapia contra o câncer é bastante difícil, pois as células cancerígenas são produzidas pelo corpo; o sistema imunológico não os vê como uma ameaça da mesma maneira que vê os invasores como vírus.

É por isso que alguns tratamentos de imunoterapia contra o câncer se concentram no treinamento do sistema imunológico para reconhecer as células cancerígenas como um problema.

É uma área eficaz de tratamento, mas que geralmente envolve a remoção das células imunológicas do corpo do paciente; além de modificá-los geneticamente para atacar o câncer e injetá-los novamente. Um processo caro e demorado.

Em vez disso, a vacina de Stanford poderia ser muito mais barata e fácil. No entanto, não funciona como as vacinas que conhecemos. Em vez de um profilático administrado antes da infecção, os pesquisadores o administraram a ratos que já tinham tumores. Injetando-os diretamente em um dos lugares afetados.

“Nossa abordagem usa uma única aplicação de quantidades muito pequenas de dois agentes para estimular as células imunes apenas dentro do tumor”, disse Levy.

“Nos ratos, vimos efeitos surpreendentes em todo o corpo, incluindo a remoção de tumores em todo o animal”.

Os resultados

Dos 90 camundongos com linfoma, 87 foram completamente curados. De acordo com pesquisa publicada na revista Science Translational Medicine ; o tratamento foi injetado em um tumor e ambos foram destruídos. Os três ratos restantes tiveram uma recorrência do linfoma, que desapareceu após um segundo tratamento.

O tratamento também foi eficaz em camundongos geneticamente modificados para desenvolver câncer de mama. Tratar o primeiro tumor frequentemente, mas nem sempre, impediu a recorrência do tumor e aumentou a vida dos animais, disseram os pesquisadores.

A equipe então testou ratos com câncer de cólon e linfoma, injetando apenas o linfoma. O linfoma foi destruído, mas o câncer de cólon não. Isso mostra que as células T nos tumores são específicas para esse tipo de tumor; portanto, o tratamento não é isento de limitações.

Mas isso significa que a imunoterapia é possível sem a engenharia genética de células fora do corpo. Ou, como no caso de uma vacina anterior, extraia o RNA do câncer, tratando-o; injetando-o no corpo e aplicando uma carga elétrica para entregá-lo às células imunológicas.

Testes em humanos

No entanto, sua eficácia ainda precisa ser comprovada. Espera-se que o ensaio clínico atual recrute 15 pacientes com linfoma de baixo grau para verificar se o tratamento funciona em humanos.

Se eficaz, o tratamento poderá ser utilizado no futuro em tumores antes de serem removidos cirurgicamente para ajudar a prevenir metástases ou até mesmo a recorrência do câncer.

“Eu não acho que exista um limite para o tipo de tumor que poderíamos tratar, desde que infiltrado pelo sistema imunológico”, disse Levy.

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de Nation.
Imagem de capa: Edward Jenner/Pexels.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


Compartilhar

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




DESTAQUES PSICOLOGIAS DO BRASIL
Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.