As ilusões são um fenômeno que há décadas desperta o interesse de psiquiatras e psicólogos. Afinal, acreditamos há muito tempo que tendemos a analisar as informações que chegam a nós através de nossos sentidos de maneira racional e que, se caímos em engano, será porque nossos olhos ou ouvidos nos traíram.

No entanto, a existência de ilusões mostra que podemos interpretar as coisas de uma maneira profundamente equivocada, mesmo quando nossos sentidos nos fornecem informações perfeitamente confiáveis.

Delírios estranhos: alterações na interpretação da realidade

Ao contrário do que acontece nas alucinações, nas quais são percebidas alterações nas informações percebidas pelos diferentes sentidos do corpo, nas ilusões o que é estranho e inacreditável é a maneira pela qual as idéias são organizadas, a maneira pela qual a realidade é interpretada.

Para entender essa idéia, nada melhor do que ver alguns exemplos das ilusões mais curiosas e extremas registradas em casos patológicos.

Tipos de delírios (e suas características)

Uma maneira de classificar delírios é usar as categorias de delírios não patológicos e delírios estranhos. A seguir, mostraremos alguns exemplos pertencentes à segunda categoria: ilusões que são tão estranhas que vão contra o que sabemos sobre a realidade e que são extremamente inacreditáveis ​​mesmo antes de sua veracidade ter sido testada.

1. síndrome de Cotard

Pessoas com Síndrome de Cotard têm uma das mais estranhas ilusões conhecidas: acreditam que estão mortas , física ou espiritualmente. Esse delírio pode assumir várias formas: algumas pessoas acreditam que estão apodrecendo literalmente, enquanto outras simplesmente acreditam que o plano da realidade em que vivem é o dos mortos.

Geralmente, esse tipo de delírio é acompanhado pela abulia , ou seja, a ausência patológica de motivação ou iniciativa. Afinal, existem poucas coisas que podem ser significativas para alguém que pensa estar morto e que, de alguma forma, sente que não pertence “a este mundo”.

2. Complexo inimigo

As pessoas que manifestam o Complexo Inimigo sustentam a idéia ilusória de que estão cercadas por inimigos, procurando uma oportunidade de machucá-los física, psicológica ou simbolicamente. Dessa maneira, boa parte das ações dos outros será interpretada como atos dirigidos a si próprio; Coçar o nariz pode ser um sinal para outro inimigo se preparar para nos atacar, olhando em nossa direção pode fazer parte de uma estratégia de espionagem, etc. É uma crença relacionada à mania persecutória.

3. Difusão de pensamento

As pessoas que mantêm essa forma de delírio acreditam que seus pensamentos são audíveis para os outros, ou seja, produzem ondas sonoras que podem ser gravadas pelos ouvidos e por dispositivos eletrônicos, como aconteceria com qualquer ruído. Naturalmente, essa idéia ilusória produz grande frustração e ansiedade, pois leva à “polícia mental” e à autocensura, apesar de você não ter controle total sobre o que passa pela sua mente.

4. Leitura do pensamento

Nesse tipo de delírio estranho, a pessoa acredita que outras pessoas (ou parte delas, independentemente de estarem próximas ou distantes) podem ler seus pensamentos por meio de um tipo de contato telepático. Essa crença geralmente se traduz na aparência de rituais criados para evitar a suposta leitura do pensamento: repita “palavras protetoras” repetidas vezes, envolva a cabeça em algo etc.

5. Roubo de pensamento

As pessoas que expressam esse delírio acreditam que alguém está roubando algumas idéias logo após serem criadas. É uma sensação semelhante ao fenômeno de “ter algo na ponta da língua”, embora, neste caso, isso seja percebido como um processo em etapas: primeiro esse pensamento é criado e só então desaparece para ir para outro lugar desconhecido.

6. Inserção do pensamento

Nesse delírio, acredita-se que parte dos pensamentos que circulam pela cabeça foram introduzidos na mente por uma entidade estrangeira, de maneira semelhante ao que é afirmado no filme Inception (em português, “A origem”) .

7. síndrome de Capgras

Um dos sintomas dessa síndrome rara é a crença de que alguém importante em nossas vidas foi substituído por outra pessoa praticamente idêntica à anterior. Os pacientes com esse estranho delírio acreditam que somente eles percebem o engano e que o impostor ou impostor conseguiu deixar todos os outros inconscientes da substituição.

Assim, embora a pessoa reconheça na face do outro as características objetivas que servem para identificar o rosto de alguém, essa informação não produz a reação emocional normal.

8. Síndrome de Fregoli

Essa síndrome está associada a um tipo de delírio semelhante ao anterior. Como no caso de Capgras, aqui é também dada uma forma de delirantes de identificação: a síndrome Fregoli a pessoa acredita que todos os outros, ou a maioria das pessoas ao redor são na verdade uma única pessoa que vai constantemente mudando a aparência. Essa crença leva facilmente a outras idéias ilusórias baseadas na ideia de que alguém está nos perseguindo.

9. Delírio de grandeza

Pessoas com ilusões de grandeza acreditam sinceramente que possuem qualidades muito acima do que seria esperado de um ser humano : a capacidade de fazer todos felizes, sempre oferecer as melhores conversas da história etc. Qualquer ação, anedótica ou rotineira, será vista por eles como uma grande contribuição para a comunidade.

É importante enfatizar o fato de que as pessoas com esse tipo de delírio realmente acreditam em suas habilidades superiores, e que não se trata de dar a melhor auto-imagem a outras pessoas, exagerando deliberadamente seus traços positivos.

10. Paramnesia redutiva

Pessoas com esse tipo de paramnesia acreditam que um lugar ou paisagem foi substituído por outro ou que o mesmo lugar está em dois lugares ao mesmo tempo. Por exemplo, alguém que visita um novo prédio em São Paulo pode acreditar que este lugar é na verdade o berçário de Belo Horizonte que frequentou durante seus primeiros anos de vida.

11. Delírio de controle

Quem apresenta um delírio de controle acredita que é um tipo de fantoche nas mãos de uma força superior que o controla. Isso pode ser expresso dizendo que existe alguém que possui seu próprio corpo ou que uma série de instruções está sendo recebida telepaticamente e que ele tem a obrigação de cumpri-las.

12. Delírio do Show de Truman

No filme “O Show de Truman”, Jim Carrey interpreta um homem que foi criado em um gigantesco programa de televisão, cercado por câmeras e atores que desempenham um papel, sem que ele perceba. Este trabalho de ficção inspirou os irmãos Ian e Joel Gold, o primeiro filósofo e o segundo psiquiatra, que em 2008 usaram esse nome para designar casos de pessoas que pensavam que viviam em uma ficção televisiva na qual eles eram os únicos personagens reais. Esse delírio apresenta características de delírios de grandeza e mania de perseguição.

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de Psicología y Mente.
Crédito da foto de capa:Thinkstock.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




DESTAQUES PSICOLOGIAS DO BRASIL
Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.