Se você é uma pessoa otimista, sabe bem dos inúmeros benefícios que esta postura de vida pode trazer pra o seu dia a dia. Mas agora a ciência têm se dedicado a estudar mais a fundo esses benefícios. E, nesse sentido, uma pesquisa realizada com jovens adultos e pessoas de meia-idade fez uma interessante descoberta: Pessoas otimistas tendem a ter um sono de melhor qualidade.

Mais de 3.500 pessoas entre 32 e 51 anos foram incluídas na amostra do estudo. Entre os participantes, haviam moradores de Birmingham, Alabama; Oakland, Califórnia; Chicago; e Minneapolis, todos nos Estados Unidos.

“Os resultados deste estudo revelaram associações significativas entre otimismo e características do sono por questões sociodemográficas, condições de saúde e sintomas depressivos”, disse a pesquisadora Rosalba Hernandez, professora de pesquisa social na Universidade de Illinois.

Resultados

Hernandez e seus co-autores descobriram que indivíduos com maiores níveis de otimismo eram mais propensos a relatar que dormiam adequadamente, de seis a nove horas por noite.

“A falta de sono saudável é um problema de saúde pública, já que a má qualidade do sono está associada a vários problemas de saúde, incluindo riscos mais altos de obesidade, hipertensão e mortalidade por todas as causas”, disse Hernandez.

“O otimismo disposicional – a crença de que coisas positivas ocorrerão no futuro – emergiu como um ativo psicológico de destaque especial para a sobrevivência livre de doenças e saúde superior”.

Embora os cientistas não tenham certeza do mecanismo exato pelo qual o otimismo influencia os padrões de sono, eles supõem que a positividade pode amortecer os efeitos do estresse promovendo o enfrentamento adaptativo, o que permite que os otimistas descansem em paz.

“Os otimistas são mais propensos a se envolver em enfrentamento ativo focado no problema e interpretar eventos estressantes de forma mais positiva, reduzindo preocupações e pensamentos ruminantes quando eles estão dormindo e durante todo o seu ciclo de sono”, disse Hernandez.

Os resultados, publicados em julho na revista Behavioral Medicine , reforçam os dados de um estudo anterior, no qual Hernandez e seus co-autores descobriram que os otimistas entre 45 e 84 anos tinham duas vezes mais chances de ter uma saúde cardíaca ideal .

O estudo

Os níveis de otimismo dos participantes foram medidos através de uma pesquisa de 10 itens, que pediu a eles que classificassem em uma escala de cinco pontos o quanto concordavam com afirmações positivas como “estou sempre otimista sobre o meu futuro” e com frases negativas como como “eu dificilmente espero que as coisas sigam do meu jeito”.

As pontuações na pesquisa variaram de seis (menos otimistas) a 30 (as mais otimistas). Os participantes relataram seu sono duas vezes, com cinco anos de intervalo, classificando sua qualidade e duração do sono durante o mês anterior.

A pesquisa também avaliou seus sintomas de insônia, dificuldade em adormecer e o número de horas de sono real que eles tiveram a cada noite.

Uma parte dos participantes fazia parte de um estudo auxiliar do sono baseado em Chicago e usava monitores de atividade por três dias consecutivos – incluindo duas diárias durante a semana e uma no final de semana. Os participantes usaram os monitores em duas ocasiões por ano.

De acordo com um relatório de 2016 dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças, cerca de 1 em cada 3 adultos dos EUA não consegue dormir adequadamente, aumentando os riscos de muitas doenças crônicas.

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de SNB e GNN.
Foto destacada: Pixabay.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




DESTAQUES PSICOLOGIAS DO BRASIL
Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.