Existem pessoas que falam pouco, que sabem ouvir e oferecer cumplicidade com o olhar. Alguns dirão que eles são chatos, que seu problema é a timidez e que passar tempo com eles é perda de tempo. No entanto, pessoas de poucas palavras podem ser aqueles perfis em que você pode confiar.

Como uma anedota curiosa, costuma-se dizer que um dos melhores atores britânicos de toda a história foi Sir Alec Guinness. Se era conhecido por alguma coisa, além da maestria na atuação, era por variar o timbre e o tom de voz em cada papel. Ele era tão camaleônico que toda vez que ia receber um prêmio, como o Oscar por seu papel em A Ponte do Rio Kwai, todos ansiavam por ouvir mais sobre ele.

Muitos aguardavam um discurso, ouvindo sua voz autêntica e, por fim, se aproximando da verdadeira pessoa por trás de cada personagem interpretado. No entanto, Guinness sempre foi um homem de poucas palavras. Ele recebeu seus prêmios após um breve e tímido “obrigado” que desapareceu instantaneamente, alimentando ainda mais o mistério e o fascínio.

Em essência, quem é conhecido por sua natureza reservada, por falar apenas o que é justo e necessário, não esconde necessariamente um distúrbio psicológico ou um comportamento anti-social. É mais uma característica da personalidade humana. Além disso, em média, eles tendem a construir laços sociais mais fortes e saudáveis.

Pessoas que falam pouco: características e origens

Nós os chamamos de “quietos”, “reservados”, “silenciosos” … Aqueles que falam pouco são raros em um mundo em que, em geral, aqueles que falam muito fazem sucesso, são carismáticos e atraem mais atenção. Poderíamos dizer que, em média, gostamos de pessoas falantes que falam alto e que em pouco tempo podem nos contar a vida inteira e mil anedotas incríveis.

Porém, o falante às vezes se esgota, enquanto as pessoas que se calam nos intrigam com seu silêncio, com sua sutileza comunicativa. De alguma forma, estamos acostumados a acreditar que extroversão e verborragia são sinônimos de sucesso, que quem vence essa competição tem capacidade de liderança e até segurança pessoal.

Agora, isso é verdade? A verdade é que esse assunto é tão interessante quanto atual. A Universidade da Geórgia, por exemplo, realizou um estudo em 2017 para entender o estilo de liderança de extrovertidos e introvertidos.

Algo que se pode descobrir é que as pessoas mais reservadas possuem outras ferramentas, competências e estilos de comunicação muito úteis em qualquer organização. É um estilo de liderança diferente que vale a pena aprofundar.

Deixe-nos saber o que pode estar por trás daqueles que falam pouco, aqueles que muitas vezes navegam entre silêncios.

Introversão e caráter reservado

A grande maioria das pessoas que falam pouco são introvertidas . Livros como The Introverted Leader: Harness Your Silent Talent ”, de Jennifer B. Kahnweiler, nos dão um exemplo de como esse estilo de personalidade está cada vez mais na vanguarda. Os recursos definidores são os seguintes:

  • Eles pensam antes de falar.
  • Eles sabem ouvir , refletem sobre o que lhes é dito e demoram mais para responder.
  • São observadores, imaginativos e grandes analistas da realidade.
  • Eles não se intimidam com o contato social, não são tímidos, mas são seletivos quando se trata de construir amizades.
  • Eles gostam de solidão.
  • Eles são meticulosos, gostam de cuidar ao máximo de seus relacionamentos. São pessoas em quem confiar e que valorizam, por sua vez, ter uma figura sólida com quem compartilhar confidências.

Timidez e gente que fala pouco

Tem gente que fala pouco por problemas de insegurança. Nesse caso, estaríamos diante de um tipo de personalidade marcada pela timidez. Ora, o fato de não conviverem com facilidade em diferentes contextos sociais não significa que acabem falhando no ambiente afetivo ou de trabalho.

Sabemos que figuras como Jorge Luis Borges ou Agatha Christie eram incrivelmente tímidas. Alec Guinness ou o ator Dick Bogarde costumavam vomitar antes de subir no palco. No entanto, uma vez que o alcançaram e se incorporaram em seu papel, eles atuaram com maestria. A timidez pessoal limita e dói, é verdade, mas muitas vezes é neutralizada com grandes virtudes.

A personalidade reflexiva: calma interior em um mundo apressado

Em um mundo onde as pessoas trocam ideias, opiniões e pensamentos quase sem filtro , quem pouco fala tem um ritmo diferente. Há, portanto, outro fator que deve ser levado em consideração e que não está relacionado nem mais nem menos, do que com a abordagem reflexiva.

Há quem amadureça muito o que vai dizer a todo momento. Existem aqueles que ouvem com todos os sentidos antes de responder, que demoram porque comunicam a partir da autenticidade, com as crenças e os valores nas mãos e a verdade no coração. Eles observam o que os rodeia, são empáticos , intuitivos e hábeis em perceber como os outros são e do que precisam.

Tudo isso exige ser mais relaxado, deixar os outros falarem, atender, olhar, estudar … Só então se atrevem a falar em voz alta, esperando ser sempre úteis com o que se diz, respeitosos com o que se expressa. Sua forma de agir, processar e enfrentar exige mais tempo e isso os faz restringir um pouco mais a fluência comunicativa.

Para muitos, esse traço pode parecer incomum, mas, afinal de contas, é mais um tom de personalidade. Assumir que cada pessoa é única e que nem todos têm a capacidade de falar com agilidade ou, como se costuma dizer, “pelos cotovelos”, nos permitirá entender melhor o comportamento das outras pessoas.

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de La Mente es Maravillosa.
Fotos: Reprodução.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


Compartilhar

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




DESTAQUES PSICOLOGIAS DO BRASIL
Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.