Por que as crianças não deveriam assistir Round 6? A resposta não poderia ser mais simples: por seu conteúdo altamente violento. No entanto, não basta ficar com a conjectura óbvia. É necessário argumentar por que os menores não deveriam ser expostos a esse tipo de produção que ainda não são capazes de processar.

O fenômeno social desta série da Netflix é bem conhecido de todos. A série tem milhões de visualizações e não há um dia que não se fale nela nas redes sociais. Agora, não podemos ignorar o impacto que ela está exercendo sobre as crianças e os adolescentes. No último mês, professores de creches e escolas primárias assistiram, assutados, seus alunos recriarem os jogos nos pátios das escolas.

É um fato generalizado. Está acontecendo nos Estados Unidos, Europa, Ásia, etc. Os educadores deram o alarme para um fato inegável: a permissividade dos pais que não controlam nem filtram o que seus filhos veem. Round 6 é uma produção não recomendada para menores de 16 anos, mas, apesar disso, já foi vista até por crianças a partir dos 3 anos.

Round 6 só pode ser vista e compreendida pelos olhos de um adulto. Esta é a única maneira de entender a pressão social da Coréia do Sul, a luta de classes, a competitividade, a frustração de quem não tem nada e anseia pelo prêmio do jogo, etc.

Razões pelas quais as crianças não deveriam assistir Round 6

Desde que a televisão apareceu nas casas das famílias, a psicologia tem se interessado em entender o impacto de certos conteúdos na mente das crianças. Essa preocupação aumentou desde que o psicólogo Albert Bandura nos mostrou, em 1970, como o aprendizado social e a imitação são fundamentais para que as crianças desenvolvam ou não comportamentos agressivos.

O que eles veem, principalmente se acharem atraente em alguma nuance, acabarão por colocá-lo em prática. Eles irão imitá-lo. Por outro lado, o trabalho de pesquisa realizado pelos psicólogos L. Rowell Huesmann e Leonard Eron na década de 1980 também merece destaque.

Eles descobriram que quanto maior a exposição a conteúdo violento na escola primária, maior a probabilidade de que comportamentos agressivos se desenvolvam na escola secundária. Poderíamos dizer, portanto, que nenhum conteúdo audiovisual orquestrado pela violência é inteiramente inócuo na mente da criança.

Estética infantil onde a violência é normalizada

A série apresenta uma estética e iconografia marcantes aos olhos de uma criança. É muito fácil para eles mergulharem naquele universo de jogos, em um cenário onde os personagens vestem cores vivas, usam máscaras de figuras geométricas, etc. Não é difícil para eles se deixarem levar pelo visual, embora as imagens sejam acompanhadas de atos violentos.

O familiar (os jogos) se combina com o diferente (a violência), fazendo com que ambos se diluam e se tornem a mesma coisa. Isso fez com que educadores testemunhassem cenas preocupantes. Na Bélgica, por exemplo, eles viram como as crianças que brincavam de esconde-esconde no quintal inglês acabaram vencendo os perdedores em grupo.

No Reino Unido, na Escola Primária Sir Francis Hill em Lincoln, crianças de 6 anos reencenavam cenas e as discutiam. Da mesma forma, os pré-adolescentes de 9, 10 e 11 anos se familiarizaram com a série por meio do Tik Tok, onde está em alta, e também no YouTube.

A mente da criança não entende o contexto social da série

Um dos motivos pelos quais as crianças devem passar longe de Round 6 é o fato de que  não estão preparados para essa produção, pois ainda não possuem um senso crítico adequado.

Suas mentes apenas apreciam a violência, mas não o drama pessoal dos personagens, seus relacionamentos ou as cordas que se movem por trás desses jogos sangrentos. Estamos diante de uma produção que não é confortável para todos; na verdade, muitos adultos se sentem incapazes de vê-lo devido à sua crueza.

Imitação comportamental.

As crianças imitam o que veem em seus jogos. De repente, passam a ter um acesso a um conteúdo que lhes é familiar e que podem reproduzir nos pátios de suas escolas. Além do mais, a estética é tão elementar quanto enigmática e isso fez com que muitas crianças pedissem aos pais para irem vestidos no Halloween com roupas de Round 6.

Como se não bastasse, outro elemento é adicionado: o dos desafios no Tik Tok. Crianças do ensino fundamental e pré-adolescentes desafiam uns aos outros a imitar certas cenas da série, como o jogo sugar honeycomb. O problema é que eles próprios têm que fazer esses biscoitos com açúcar caramelizado e já houve mais de um acidente.

As escolas enviaram notificações aos pais para não permitirem que seus filhos assistissem Rpund 6. Mas a verdade é que será inevitável que sejam expostos a esse conteúdo.

A necessidade de gerar um diálogo com as crianças que viram a série

Para muitos pais, Round 6 é apenas mais um conteúdo do catálogo da Netflix. No final das contas, se seus filhos de 7 ou 11 anos passam horas com Fortnite ou videogames violentos, que preocupação há de que vejam essa série?

Talvez o problema esteja aí, na falta de filtros e na incapacidade de entender que tudo a que uma criança está exposta tem impacto psicológico. Round 6 não é um programa adequado ou recomendado para crianças menores de 16 anos. Porém, o problema já está nas salas de aula e nos pátios: muitos já viram a série.

Isso obriga os educadores a fazerem com eles uma leitura mais aprofundada dessa produção. Você tem que conversar com eles, reformular alguns aspectos, dar um contexto e algumas lições. A violência nunca deve ser um instrumento para um fim. A violência não é permitida e, menos ainda, parte de um jogo.

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de La Mente es Maravillosa.
Foto destacada:

RECOMENDAMOS






Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.