De todos os tratamentos com COVID-19 atualmente pesquisados ​​nos EUA, a terapia com plasma convalescente mostrou-se particularmente promissora – especialmente para casos graves do vírus. O tratamento envolve a retirada de plasma sanguíneo de um indivíduo que se recuperou e desenvolveu uma imunidade ao COVID-19, testando o sangue para o anticorpo relacionado e, em seguida, injetando-o em um paciente doente para que o anticorpo possa atacar o vírus no novo hospedeiro.

Quando Michael Joyner começou a liderar a pesquisa do tratamento na Clínica Mayo, em meados de abril, um dos maiores obstáculos para seu progresso foi a obtenção de plasma sanguíneo de pessoas que já haviam se recuperado do novo coronavírus.

Joyner sabia que muitas comunidades judaicas na cidade de Nova York haviam sido atingidas pelo vírus antes do fechamento da cidade por causa de como suas grandes famílias religiosas tendem a ser mais unidas – então ele organizou uma teleconferência com várias dos rabinos mais proeminentes da cidade e pediu ajuda a eles.

Apenas 36 horas depois, mais de 1.000 frascos de plasma de judeus que haviam se recuperado do vírus foram entregues na Clínica Mayo, em Minnesota. A entrega não foi apenas uma façanha surpreendente da velocidade organizada da comunidade, foi também um sucesso médico: mais de 60% das doações apresentaram resultados positivos quanto a anticorpos comprovadamente eficazes no combate ao COVID-19.

Desde a doação inicial, as comunidades judaicas em todo o país hospedam unidades de plasma para ajudar a salvar pacientes com COVID em risco.

“Não há como sermos capazes de tratar tantas pessoas sem elas”, disse Joyner à NBC News.

Além disso, suas doações foram enviadas para instalações de pesquisa em todo o mundo para ajudar ainda mais o desenvolvimento do tratamento para uso mais amplo.

Até o momento, mais de 36.000 pessoas americanas foram tratadas com transfusões de plasma ricas em anticorpos – e mais da metade dessas doações de sangue vieram de judeus.

“Por termos sido devastados pelo COVID desde o início, reconhecemos que tínhamos a oportunidade de retribuir à comunidade científica e aos nossos irmãos que estão sofrendo”, disse à NBC o Dr. Israel Zyskind, pediatra do Brooklyn e judeu praticante. “Nós não nos preocupamos apenas com nós mesmos, nos preocupamos com todos, e faremos o que pudermos.”

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de Good News Network.
Fotos: Reprodução.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


Compartilhar

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




DESTAQUES PSICOLOGIAS DO BRASIL
Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.