No final de 2020, um menino espanhol chamado Mikel Gómez recorreu às redes sociais para denunciar que havia sido discriminado por usar saia para ir às aulas.

Seu professor de matemática decidiu interromper a aula para levar Mikel ao psicólogo da escola e perguntar com insistência se ele sentia alguma confusão sobre seu gênero. Diante de sua recusa, obrigaram-no a tirar a saia e colocar uma calça, que não exigiam de seus colegas que usavam a mesma vestimenta.

O episódio deu a volta ao mundo e, pouco tempo depois, milhares de jovens em toda a Espanha e outros países europeus decidiram ir para as suas respectivas escolas com saias para apoiar Mikel, que procurava romper com a crença de que as saias estão associadas apenas ao gênero feminino.

E claro, isso catalisou a participação dos mesmos professores nesta improvisada e massiva campanha, representada com a hashtag # LaRopaNoTieneGender. José Piñas, um dos professores da escola de Mikel, comoprou a briga de seu aluno e também usou saia para dar aula.

“Há 20 anos eu também sofri perseguições e insultos no instituto onde hoje sou professor. Muitos de meus professores simolesmente me deram as costas. Quero me juntar à causa do aluno Mikel, que foi expulso e mandado ao psicólogo por ter ido para a aula de saia”, disse José Piñas (@joxepinas) no Twitter.

Esta iniciativa foi replicada por outros professores em todo o país. Recentemente, Manuel Ortega e Borja Velásquez, dois professores de um instituto de Valladolid, frequentaram aulas com saias depois de um dos seus alunos ter chamado outro deles de insulto homofóbico na sala de aula por vestir uma camisola com motivos de anime.

O objetivo de ambos os professores era abrir um debate no referido instituto sobre tolerância e diversidade, e “ensinar que é preciso mudar e que as palavras machucam”, segundo Velásquez em entrevista ao El País. Os professores afirmam que começa a germinar nos alunos uma mudança e um clima de maior respeito , mas que esta é apenas “a ponta do iceberg” , como afirmam.

Outro caso foi o de Manuel Sánchez, um professor sevilhano que, há alguns anos, foi dar aulas com uma camisola rosa. Seus alunos lhe disseram que essa cor “era para meninas”, ao que ele respondeu que as cores não são de ninguém e que todos podem usar a roupa que quiserem, como os escoceses com as saias e a padronização das calças femininas. Pouco depois, ela chegou com as unhas pintadas para fazer seu trabalho.

A mensagem que todas essas iniciativas têm em comum é que é hora de começarmos a questionar tudo o que aprendemos da maneira difícil sobre tolerância, respeito e inclusão , rompendo esquemas para poder viver em um mundo mais plural e diversificado.

Além disso, uma saia não deve ser um problema para ninguém, certo?

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de UPSOCL.
Fotos: TikTok: @mikelgmz.

Compartilhar

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




DESTAQUES PSICOLOGIAS DO BRASIL
Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.