Sabe quando você era criança e pegava jacaré na praia? De vez em quando vinha uma onda maior e mais forte e te derrubava com tudo na areia, fazendo seu corpo girar sem norte, enquanto você se esforçava para respirar e engolia um monte de água. A onda gigante pegava-o desprevenido, não lhe dava a chance de escolher se ia, se ficava ou recuava. Ela simplesmente surgia do nada e bagunçava seu mundo, seus castelos, sua alegria.

De vez em quando a vida faz o mesmo. E a gente descobre que certas coisas acontecem sem o nosso consentimento, sem a nossa permissão, sem que a gente tenha tempo ou chance de autorizar. Certas coisas não pedem licença para ocorrer, e nos levam a acreditar que na vida não somos donos, mas meros convidados.

Porém, nem toda mudança súbita é ruim, e o que parecia uma onda gigante a te arrastar pela areia da praia pode ser o impulso que faltava para você chegar a águas mais profundas, ou o sopro necessário para você surfar em um oceano mais generoso.

Acontece da vida te virar do avesso e você descobrir que o avesso é seu lado certo. Nem sempre essa descoberta é óbvia de imediato, e pode levar algum tempo até que você descubra que aquilo que você achava tão perfeito, na verdade nunca serviu para você.

Enquanto você insiste naquilo que seria e não aceita o que é, você não enxerga as possibilidades. É como o passageiro que pega o trem errado e passa a viagem toda queixando-se da confusão, enquanto poderia usar o tempo para usufruir as novas paisagens, as novas companhias, a nova rota. Lamentar o que perdeu não muda nada, enquanto que ter jogo de cintura e otimismo para reverter a situação a nosso favor faz tudo se transformar.

Deixe a vida te virar do avesso e descubra que o avesso pode ser o lado certo para você. Quem disse que o que parecia bom para eles seria o seu lado ideal? No avesso você pode encontrar o ponto certo, a possibilidade nova, a cor mais viva. No avesso você pode adquirir um olhar novo para a vida, descobrindo que dá para ser feliz à sua maneira, perdendo o telhado mas ganhando as estrelas…

*A frase título deste texto é atribuída a Caio Fernando Abreu 

Foto de Vinicius Wiesehofer em Unsplash

Compre meu livro “Felicidade Distraída” aqui: https://amzn.to/2P8Hl2p

 

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Fabíola Simões
Escritora mineira de hábitos simples, é colecionadora de diários, álbuns de fotografia e cartas escritas à mão. Tem memória seletiva, adora dedicatórias em livros, curte marchinhas de carnaval antigas e lamenta não ter tido chance de ir a um show de Renato Russo. Casada há dezessete anos e mãe de um menino que está crescendo rápido demais, Fabíola gosta de café sem açúcar, doce de leite com queijo e livros com frases que merecem ser sublinhadas. “Anos incríveis” está entre suas séries preferidas, e acredita que mais vale uma toalha de mesa repleta de manchas após uma noite feliz do que guardanapos imaculadamente alvejados guardados no fundo de uma gaveta.