Parece difícil de acreditar, mas o café e a cerveja – considerados por muitos como duas das melhores coisas deste mundo – podem ser a chave para ter uma vida longa. Pelo menos é o que atesta um estudo recente realizado pelo instituto americano UCI MIND.

O estudo afirma que o uso moderado de café e álcool podem ajudar significativamente para que alcancemos com saúde os 90 anos de idade.

Os pesquisadores envolvidos no estudo acompanharam a vida e os hábitos de mais de 1800 pessoas, com diversos testes realizados a cada seis meses. Seus históricos médicos, estilos de vida e, é claro, suas dietas, foram monitoradas com atenção – e uma das conclusões a que o estudo chega é que aqueles bebem café e álcool todos os dias possuem mais chances de viver mais do que os que não o fazem.

Dois copos de cerveja ou duas taças de vinho diárias, segundo a pesquisa, crescem em 18% as chances de uma vida mais longa. Já o café diário aumenta em 10% as probabilidades contra quem não toma.

Os médicos do instituto não sabem exatamente o motivo para tal descoberta, mas realmente concluíram que beber moderadamente ajuda a longevidade. Trata-se, no entanto, de um estudo observacional, que liga tais substâncias à longevidade, mas não revelam ou apontam outros hábitos que podem, esses sim, serem a chave para a longevidade.

Não se trata de uma autorização para que bebamos todo dia, mas sim de uma afirmação ainda em estudo sobre nossos hábitos – e sobre a possível benesse que esses deliciosos hábitos podem nos trazer.

O uso moderado de ambas as bebidas é ligado também à prevenção de diversas doenças.

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de Hypeness.
Fotos: Reprodução/Acredite ou Não.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




DESTAQUES PSICOLOGIAS DO BRASIL
Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.