Uma mutação rara no gene APOE3 permitiu que uma mulher colombiana com predisposição genética para sofrer de Alzheimer atrasasse os sintomas da doença. Isto significa que em vez de começar a ter sintomas de demência por volta dos 40 anos, isso só aconteceu três décadas depois.

O caso foi relatado nesta semana na revista científica Nature Medicine, e a comunidade científica acredita que o acontecimento pode vir a ser útil no tratamento e prevenção do Alzheimer.

A descoberta foi feita quando os investigadores analisavam um grupo de 1200 pessoas, na Colômbia, numa população portadora de uma outra mutação, desta vez, no gene PSEN1. Esta mutação faz com que o Alzheimer seja inevitável. Nesta condição, quase sempre se tem sintomas de demência e problemas cognitivos por volta dos 40 anos. A mulher foi a excepção.

Apesar de a mutação genética comum na região a condenar à doença, uma outra mutação genética atrasou a demência em vários anos.

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de Notícias oa Minuto.
Imagem destacada: © iStock.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




DESTAQUES PSICOLOGIAS DO BRASIL
Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.