Uma das formas de se conseguir lidar melhor com uma fobia é por meio da CORAGEM. Caso você apresente esse sintoma, esta estratégia desenvolvida por mim pode te ajudar. Recomendo que você leia, item por item, e tente incorporar esta técnica ao seu dia-a-dia.

Trata-se do acrônimo da palavra CORAGEM, que transformei em um método para que você aplique na sua vida. Perceba que cada letra dessa respectiva palavra aborda um dos sete passos da estratégia.

Confira neste artigo, como a C.O.R.A.G.E.M pode te ajudar a superar a fobia!

C. Confiança em si

O medo está relacionado a insegurança. Com a falta de controle, o sujeito tem a sensação que não saberá administrar a situação.

Para isso é importante desenvolver a confiança, trabalhando a autoestima. A auto estima pode ser aprimorada através do questionamento sobre como você se sente em relação à sua imagem e qual o pensamento sobre si, para que você consiga validar as suas competências e habilidades, e verificar o sistema de recompensa.

O. Obter a independência emocional

Refletir sobre quais são seus pontos fortes, valores e habilidades. Além disso, é importante lembrar que a fobia é um sintoma enraizado em seu subconsciente infantil, e a percepção de sua maturidade intrínseca deve ultrapassar esse período.

Com uma maior consciência sobre esse pontos, você conseguirá trabalhar a independência emocional.

R. Respirar e relaxar

Normalmente, quando estamos frente a uma situação que causa muito medo, temos a tendência a respirar muito rápido e de forma curta, ocorrendo a hiperventilação. Por sua vez, a hiperventilação provoca a maior parte dos sintomas físicos da ansiedade, como por exemplo a taquicardia.

Para que isso não ocorra, é necessário que você se concentre no ritmo e na forma de sua respiração.

Um exercício bem prático consiste em respirar lentamente pelo nariz, contando até quatro. A mão no estômago deve subir e o peito deve se mover muito pouco. Prenda a respiração enquanto conta até sete e expire pela boca contanto até oito. Outra recomendação é respirar fundo enquanto tensiona todos os músculos, mantendo a contração por alguns segundos, e expirando pela boca enquanto relaxa todo o corpo de uma vez.

A. Aceitar os sintomas

Quando realizamos uma atividade física mais intensa, o nosso coração acelera, sensações similares às que ocorrem quando estamos diante de uma situação que nos causa medo.

Entre os sintoma físicos estão a sudorese, hiperventilação, e aumento dos batimentos cardíacos. Desta forma, recomenda-se que você internalize a ideia de que é normal que o coração se acelera quando você sente medo. Deixe de dar atenção a essas sensações irá te ajudar a aceitar os sintomas.

G. Gerenciar os pensamentos negativos

Sempre que aparecerem esses tipos de pensamento, contrarie, por meio de um pensamento positivo ou uma memória agradável. Pense na palavra “pare” quando os pensamentos negativos vierem a sua mente. Perceba que são apenas pensamentos e que nem sempre correspondem à realidade.

E. Elaborar uma hierarquia de enfrentamento

Liste situações temidas relacionadas ao objeto ou situação que lhe causa medo, classificando as de acordo com o grau de intensidade, do mais baixo para o mais alto.

Vamos a um exemplo. Suponha que você tenha medo de aranha: uma cena de baixa intensidade poderia ser representada por você imaginar estar assistindo a um programa de televisão em que aparecem aranhas, enquanto uma de alta intensidade, você sente como uma delas sobe no seu braço.

Progressivamente, você poderá aumentar o seu grau de enfrentamento, o que irá ajudá-lo a enfrentar seus temores.

M. Motivação e alegria de viver

A motivação é a força interior que habita o sujeito e faz a diferença na vida pessoal, criando condições de acreditar na possibilidade de vencer os obstáculos.

Agora é com você

Qualquer que seja a sua fobia, é importante ter em mente que ela pode ser trabalhada. Os passos para a superação podem ser comparados ao processo de aprender a andar de bicicleta. Em um primeiro momento conta-se com uma ajuda, mas a medida que você se torna mais confiante, consegue conduzir sem a necessidade de uma outra pessoa.

Conforme postulou Nelson Mandela, “aprendi que a coragem não era a ausência do medo, mas o triunfo sobre ele. O bravo não é aquele que não sente medo, mas aquele que supera esse medo.”

Gostou do artigo? Compartilhe para que mais pessoas possam ser capazes de lidar com a fobia através da CORAGEM!

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Nataly Martinelli
O meu itinerário profissional começou com o interesse por áreas que envolvessem o ser humano como base de estudo. A minha primeira experiência profissional foi após a graduação em Administração e especialização na área de Marketing. Após alguns anos atuando na área de Marketing em empresas de médio a grande porte, percebi a minha vontade de reforçar os meus conhecimentos no âmbito do comportamento humano, com foco nos transtornos de ansiedade.Desta forma, seguindo a minha vocação, realizei a formação em Psicologia. Diante do meu histórico em multinacionais busquei ferramentas inovadoras que permitem resultados mensuráveis e mais ágeis para os meus clientes.Atualmente sou uma das especialistas e pioneira no Brasil no tratamento psicológico utilizando ferramentas de realidade virtual e hipnoterapia para transtornos de ansiedade. Acredito na dessensibilização por meio da exposição gradativa e na busca pelas razões da fobia para sua ressignificação.