Em 1915, Albert Einstein publicou sua Teoria Geral da Relatividade, argumentando que o universo consiste em uma estrutura fundamental: o espaço-tempo. Além disso, argumentou que esse tecido é deformado por objetos enormes. A flexão e a curvatura resultante explicam o que percebemos como gravidade.

Mais de cem anos depois, a relatividade geral provou ser a estrutura de maior sucesso para a compreensão do universo, guiando cientistas para buracos negros, dilatação do tempo e ondas gravitacionais, bem como inúmeras descobertas.

Sete anos depois de Einstein formular a relatividade geral, ele também apresentou outra teoria. Um que não era exatamente relacionada à física, nem foi cuidadosamente detalhada em uma publicação acadêmica. Em vez disso, a curta meditação descreve sua receita para a felicidade e foi escrita em um papel de carta no Imperial Hotel em Tóquio, Japão. Com os bolsos vazios, Einstein desculpou-se oferecendo a nota como gorjeta, dizendo que um dia poderia valer muito.

Surpreendentemente, ele estava certo. A nota com a “Teoria da Felicidade” de Einstein foi vendida em um leilão por US $ 1,56 milhão.

Sabedoria revelada

O leilão altamente divulgado finalmente revelou a sabedoria de Einstein sobre a felicidade, noventa e cinco anos depois de ter sido escrito:

“Uma vida tranquila e modesta traz mais felicidade do que a busca pelo sucesso combinada com inquietação constante.”

É interessante que Einstein escreveu algo assim, visto que grande parte de sua vida foi devotada arduamente à busca intelectual revolucionária. Talvez naquele momento ele estivesse se sentindo um pouco sobrecarregado. Em outubro de 1922, quando Einstein escreveu seus pensamentos sobre a felicidade naquele hotel em Tóquio, ele acabara de ser informado de que havia ganhado o Prêmio Nobel de Física. Claro, a publicidade repentina e a fama foram física e mentalmente desgastantes.

Apoio, suporte

Então, como a “Teoria da Felicidade” de Einstein se mantém após todos esses anos? A felicidade é infinitamente mais relativa do que a relatividade geral, tornando difícil para a ciência oferecer uma resposta definitiva. Alguns estudos mostram que a mudança regular de emprego, autônomo e o empreendedorismo na verdade levam a um aumento na satisfação com a vida, contrariando a nota de Einstein. Outro estudo sugeriu que as pessoas mais felizes levam uma vida “equilibrada”, trabalhando pouco mais de sete horas por dia, fazendo exercícios com frequência, desfrutando de refeições preparadas cinco vezes por semana e vendo amigos uma vez por semana, reforçando de certa forma a nota de Einstein.

No entanto, uma das explorações científicas mais aprofundadas sobre felicidade e sucesso foi publicada em 2005. Os pesquisadores revisaram 225 estudos e descobriram que a felicidade geralmente leva ao sucesso, e não o contrário. Em suma, “a felicidade leva a comportamentos que geralmente levam a mais sucesso no trabalho, nos relacionamentos e na saúde”.

No auge do estrelato científico, Einstein pode ter olhado para baixo de sua posição elevada e se sentido um pouco desapontado. Seja humilde, é assim que a Teoria da Felicidade poderia ser traduzida. Portanto, mantenha este conselho sábio em mente; mas não espere que seja um modelo de satisfação como tem sido a relatividade geral.

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de Nation.
Fotos: Reprodução.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


Compartilhar

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




DESTAQUES PSICOLOGIAS DO BRASIL
Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.