Você costuma pensar no que a pessoa irá pensar e assim toma a decisão de como irá seguir? Pensa primeiro em toda a situação antes que ela aconteça e já coloca limites e resultados para você? Cuidado você pode estar sofrendo da síndrome do X Man Charlie Xavier! Não é realmente o nome de uma síndrome, mas eu costumo brincar com os meus pacientes no consultório usando este tema para explicar o que está acontecendo com eles e como eles estão prejudicando a sua vida.

Charles Francis Xavier, conhecido como Professor X, é um personagem de quadrinhos da série X-Men, criado por Stan Lee e Jack Kirby. Professor X é capaz de ler os pensamentos de outros ou projeta seus próprios pensamentos, ou seja ele realmente consegue ler o pensamento das pessoas e entender o que está passando na cabeça delas. Uso sempre de exemplo esse personagem dos quadrinhos, para mostrar o quanto as pessoas acreditam no que estão pensando sobre a situação e sobre as outras pessoas.

Pessoas que usam a imaginação demasiadamente para criar conversas com outras pessoas, tendem sempre a concluir aspectos das situações e dos outros de forma errônea e vivem no mundo de imaginação e muitas vezes de perseguição. Como se tudo aquilo que ela pensou realmente tivesse acontecido. São pessoas que costumam imaginar diálogos ou já sabem o que o outro vai pensar e por aí já tiram as sua conclusões e tomam decisões importantes na sua vida e até mesmo mudam os rumos de tudo por conta da imaginação que criou da situação e das pessoas.

Se surpreendem quando as situações não são como elas imaginaram e estão sempre em constante frustração e decepção com os outros. Pois aquele mundo de fantasia só existiu em sua imaginação. Geralmente a sua imaginação é negativa e o outro sempre irá castigar, rejeitar e abusar dela, por isso evitam de ter conversas francas e perguntar realmente o que a outra pessoa está pensando.

Impossibilitando de viver na realidade e ter as certezas que tanto buscam na vida delas, pois estão sempre certas que a sua imaginação é a realidade e sentem medo de confrontar o mundo real com simples perguntas. Quando a pessoa faz isso, ela limita as possibilidades de vida dela, acaba fechando as oportunidades, destruindo relações, acabando com propostas profissionais e até mesmo desenvolvendo transtornos psicológicos, tudo por conta da decisão de acreditar naquilo que ela imaginou que será da situação ou da resposta de alguém.

Acredite, até hoje ninguém teve o poder de saber exatamente como o outro pensa, se você não perguntar, se você não falar como se sente em uma situação, ninguém vai conseguir te entender de forma clara e objetiva. Por isso, vamos deixar os super poderes para os personagens de quadrinho, ok?

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Beatriz Brandão
Psicóloga clínica em São Paulo, atendimento individual adulto, atuou por 11 anos com gestão de Recursos Humanos. Foco em desenvolvimento humano. Autora de palestras e workshops. Atuando há 3 anos com atendimento psicoterapêutico com o foco em desenvolver o processo de autoconhecimento, para que o paciente tenha subsídios para o autodesenvolvimento. Aplicando a Terapia Analítica. ​ Acredita que a sua missão como psicoterapeuta, de modo colaborativo e humanizado, é auxiliar as pessoas a reconhecerem suas próprias possibilidades e a qualificar suas relações, para isso, desenvolve em seu consultório programas de prevenção e tratamento.