Onde quer que um relacionamento interpessoal seja estabelecido, há espaço para manipulação. Essa manipulação pode se desenvolver de forma mais grosseira e direta através da coerção ou pode adquirir contornos mais sutis, como chantagem emocional.

A sociedade, como entidade que busca perpetuar-se à custa da individualidade de seus membros, também exerce seus mecanismos de manipulação. Não é interessante formar pessoas livres e autodeterminadas, mas apenas pessoas que desfrutam de um grau limitado e ilusório de liberdade e que se esforçam para buscar sua individualidade como alguém que procura uma agulha num palheiro, tateando no escuro, o que as torna vulnerável a qualquer forma de manipulação que parece lançar um pouco de luz.

 

Em ambos os níveis, de manuseamento de came faz com que dois mecanismos mutuamente reforçadores:

1. Referências distorcidas do que é interno ou externo

Para manipulação entrar em vigor, a vítima precisa tomar os pontos de vista do manipulador. É um processo que ocorre abaixo do limiar da consciência através do qual perdemos nossos benchmarks internos, substituindo-os com a pessoa que está tentando nos manipular. Isso significa que perdemos a capacidade de decidir por nós mesmos.

2. Culpa generalizada

Manipulação sempre tem um componente emocional, girando sobre a nossa culpa. A este respeito, Noam Chomsky disse: “Se alguém fala com uma pessoa como se ela tivesse a idade de 12 anos ou menos, então, devido à sugestionabilidade, ela tenderá, com certa probabilidade, a ter resposta ou reação também desprovida de um sentido crítico como uma pessoa de 12 anos ou mais jovem “. Qualquer manipulação tenta contornar o alvo certo com elogios. São precisamente os valores e qualidades que são mais orgulhosos, aqueles com os quais nos atacam, porque eles são o que fazem ressonância emocional e “off” nosso cérebro racional.

Rendimento à manipulação quebra o “eu”

O fato de não estarmos totalmente conscientes da manipulação ou de cedermos para evitar um conflito não nos isenta de seu alto custo emocional. O psiquiatra da Universidade de Michigan Chandra Sripad provou através de uma série de experimentos que, mesmo quando produzem voluntariamente para manipulação, na verdade, é um suporte superficial, porque uma parte de nós rejeitamos completamente o que estamos fazendo.

Essa rejeição provoca uma divisão no “eu”, mas, uma vez que nos fizeram nos sentirmos culpados, em vez de nos rebelarmos e nos perguntarmos o que realmente queremos, nos auto desvalorizamos. Portanto, se estamos sujeitos a manipulação constante, corremos o risco de perder o contato com o nosso “eu”. É um tipo de mecanismo de defesa através do qual nós quebramos o vínculo com nossas necessidades e valores, desde que não vivamos continuamente esse processo de divisão.

Sem perceber, nós caímos em uma armadilha porque ao tentar validar as qualidades que o manipulador está questionando, nos traímos fazendo algo que não está em sintonia com as nossas necessidades, prioridades ou não são uma expressão espontânea de nossos valores.

Fortalecer o “eu” como escudo contra a manipulação

Para alcançar a verdadeira paz interior devemos silenciar esse ruído externo. Aprender a ficar sozinhos para desfrutar da solidão e do silêncio, condições sine qua non para se redescobrir. A romancista italiana Susanna Tamaro nos alertou: “Há sempre alguém que lhe diz o que fazer, não há mais silêncio, em todo lugar há barulho, se você não está com seus próprios pensamentos, como vai entender o significado das coisas? É impossível, vivemos sob uma manipulação perversa e muito sutil “.

Portanto, se quisermos interromper o mecanismo manipulador, devemos nos reconectar com o nosso “eu”. Ao recuperar o controle de nossos pontos de referência e ter certeza de quem somos, nenhuma tentativa de manipulação emocional nos fará duvidar ou gerar um sentimento de culpa. Esse é o melhor escudo contra os manipuladores.

TEXTO TRADUZIDO E ADAPTADO DE RINCON PSICOLOGÍA

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


Compartilhar

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




REDAÇÃO PSICOLOGIAS DO BRASIL
Os assuntos mais importantes da área- e que estão em destaque no mundo- são a base do conteúdo desenvolvido especialmente para nossos leitores.