A Organização Mundial de Saúde (OMS) prevê que em 2020 a depressão seja o principal motivo de afastamento no trabalho no mundo. E o aumento de casos faz surgir com maior urgência a necessidade de jogar luz sobre uma informação pouco difundida, a de que a Justiça garante direitos para quem adquire transtornos mentais devido ao estresse excessivo no trabalho.

Muitas vezes o profissional afetado por um transtorno mental causado pelo estresse não consegue reconhecer que está enfrentando problemas, e por isso é tão importante que os colegas e gestores fiquem atento ao comportamento emocional de quem está em seu entorno. Sintomas comuns de doenças como síndrome do pânico, ansiedade e depressão, podem incluir: exaustão emocional, falta de conexão com outras pessoas e a impressão de que não é possível fazer o que conseguia realizar naturalmente na mesma função.

“Uma das características principais é o humor deprimido. Geralmente essas pessoas ficam menos interessadas, motivadas e tem o raciocínio reduzido, produzindo menos que o habitual”, afirma o psiquiatra Rodrigo Silva.

Se os sintomas forem mais graves, é indicada uma licença de 15 dias. Nos primeiros nove meses de 2018, o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) concedeu 8.015 licenças por transtornos mentais e comportamentos adquiridos no trabalho, o que representa um aumento de 12% em comparação ao mesmo período de 2017.

Segundo o advogado trabalhista Carlo Consentino, “Quem se sente em situação de vulnerabilidade pela doença deve ser afastado e, a partir do 16º dia, encaminhado para o INSS para que receba o auxílio-doença até que possa voltar ao trabalho”.

De acordo com o psiquiatra, dependendo da intensidade da doença, o afastamento do trabalho é importante, mas pedir demissão não é o caminho mais indicado. “O profissional pode continuar o tratamento no trabalho em caso de depressão menos grave, por exemplo”, diz.

Em todos os casos, sessões de psicoterapia, exercício físico e cuidados com a alimentação são fundamentais, de acordo com o psiquiatra. Se a doença for relacionada com o trabalho, a Justiça garante estabilidade de 12 meses a partir da alta médica, segundo o advogado.

“É importante que os profissionais consigam levar a vida com mais leveza e que haja uma política nas empresas para amenizar a pressão do dia a dia. Quando alguém adoece, é prejuízo para a sociedade e para a empresa”, declara Carlo Consentino.

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de G1.
Foto destacada: Reprodução/Santos Bancários.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




DESTAQUES PSICOLOGIAS DO BRASIL
Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.