Um estudo realizado pelo ChannelMum.com — uma comunidade de pais do Reino Unidos —, e The Baby Show — um programa americano de TV —, revelou que um terço dos relacionamentos sofre sérios problemas nos meses após o nascimento do bebê e o pior, um quinto termina durante o primeiro ano.

A pesquisa, realizada com 2 mil mães e pais, constatou ainda que os rompimentos costumam acontecer aos seis meses — e um em cada três dos casais que se separaram disseram que a “completa falta de comunicação” foi o principal motivo. Metade dos casais relatou discutir com mais frequência após o nascimento do filho e um terço disse que às vezes passava cinco dias seguidos sem conversar com o outro. Além disso, três em cada dez disseram que a vida sexual diminuiu, enquanto 29% sentiram falta do carinho que compartilhavam anteriormente. Para as mulheres, uma enorme queda na confiança do corpo também teve um impacto no relacionamento, enquanto 24% dos homens se sentiram completamente ignorados quando a mãe favoreceu o bebê.

Também motivaram sepação situações em que um parceiro estava menos envolvido nos cuidados com o bebê e precisando se ajustar à nova responsabilidade. Um quinto dos pais achou a falta de sono durante os primeiros meses tão severa que os deixou incapazes de analisar o que estava acontecendo com o relacionamento deles. Um quarto dos casais encontrou muito pouco tempo um para o outro quando o bebê nasceu, e 28% disseram que quando estavam juntos, tudo o que fariam é discutir. No entanto, um quarto dos casais admitiu ter problemas com o relacionamento antes do nascimento do bebê, o que piorou após o nascimento. E o estudo mostra que mais de seis em cada 10 pais admitiram que não estavam preparados para o enorme impacto que um bebê causaria.

“Esqueça a crise dos sete anos — são seis meses de noites mal dormidas que provavelmente irão separar novos pais. Embora se presuma que um novo bebê aproxima um casal, esse nem sempre é o caso. Noites sem dormir, menos tempo para intimidade e responsabilidades adicionais podem testar até os relacionamentos mais comprometidos. Os pais já se preparam financeiramente e até refazem sua casa para um novo filho, então faz sentido proteger o bebê de seu relacionamento antes do nascimento também, afirma Siobhan Freegard, fundador do site ChannelMum.com.

“É desanimador ver tantos casais se separando nos primeiros 12 meses da paternidade — um dos momentos mais emocionantes de suas vidas. Embora seja um período maravilhoso, não há dúvida sobre isso, é estressante com a mudança nos padrões de sono, rotinas e responsabilidades e se acostumar com a existência de uma terceira pessoa que você precisa cuidar o tempo todo. O mais importante é continuar conversando, reconhecer como vocês estão se sentindo e garantir um tempo um para o outro, assim como para o bebê”, afirma Zoë Bonser, diretora de programa do The Baby Show.

COMO FUGIR DA CRISE?

De acordo com o estudo, compartilhar refeições noturnas, reservar tempo para namorar, sair com os amigos estão entre os métodos mais usados ​​para manter um relacionamento feliz. Pelo menos um em cada 10 casais até chegou a recorrer a uma separação experimental nos 12 meses após a chegada do bebê, mas depois voltou a retomar a relação mais tarde. Infelizmente, quase um quinto dos pais admitiu que não implementou nenhuma medida para proteger seu relacionamento durante os primeiros meses da paternidade. Mas 23% dos entrevistados pediram apoio a familiares e amigos, e 24% se certificaram de compartilhar o trabalho doméstico.

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de Revista Crescer.
Foto destacada: Foto: Getty

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




DESTAQUES PSICOLOGIAS DO BRASIL
Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.