Os testes com a vacina contra o coronavírus desenvolvida pela Universidade de Oxford podem ser concluídos em setembro deste ano, segundo Sarah Gilbert, cientista por trás dos estudos.

Devido à urgência da pandemia, a equipe de Oxford já desenvolveu uma tecnologia que pode acelerar o processo de produção da imunização.

os planos da farmacêutica Astrazeneca, que trabalha em parceria com a Universidade de Oxford, são produzir mais de 2 bilhões de doses da vacina.

Cientistas da Universidade de Oxford, no Reino Unido, anunciaram nesta segunda-feira (20) que, segundo resultados preliminares, a vacina desenvolvida pela Universidade britânica é segura e induziu resposta imune no corpo dos voluntários. Os resultados são referentes às duas primeiras fases de testes da imunização. A terceira fase está ocorrendo no Brasil, entre outros países.

Ao todo, 50 mil pessoas participam dos testes em todo o mundo, 10% delas no Brasil: 2 mil em São Paulo, 2 mil na Bahia e outras 1 mil no Rio de Janeiro. O Centro de Referência para Imunobiológicos Especiais (CRIE) da Unifesp coordena a aplicação da vacina em São Paulo, que começou em junho com voluntários da área da saúde.

O acordo com o Brasil permitirá que o país adapte a fábrica de Biomanguinhos para produzir a vacina e disponibilizá-la depois da fase três dos ensaios clínicos.

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de Só Notícia Boa.
Foto destacada: Reprodução.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


Compartilhar

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




DESTAQUES PSICOLOGIAS DO BRASIL
Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.