A SÍNDROME DO IMPOSTOR: COMO IDENTIFICAR A AUTOSSABOTAGEM NA VIDA PROFISSIONAL.

Ter uma carreira sólida e bem sucedida não garante realização profissional. Muitas pessoas conseguem atingir níveis invejáveis em suas carreiras, mas costumam atribuir suas conquistas à sorte, acaso ou qualquer outro fator alheio às suas competências, sentindo-se uma FRAUDE. Esse padrão mental foi caracterizado pela psicóloga Pauline Clance, no final da década de 70, como Síndrome do Impostor.

Pessoas com essa síndrome costumam viver em um intenso sofrimento, gerado pela ansiedade e estresse, uma vez que supervalorizam suas fraquezas e não conseguem se sentir merecedoras de qualquer sucesso que possam ter, esperando o momento que sua incompetência será descoberta. É comum ouvirmos dessas pessoas frases do tipo “passei no concurso porque a prova estava muito fácil”, “eu consegui o emprego porque a concorrência estava baixa” “não sou bonita, estou apenas arrumada” ” eu tive esse resultado apenas porque me esforcei demais e não porque sou inteligente”.

As características principais dessa síndrome são:

  • Performance profissional diversa do esperado:  pessoas com a síndrome costumam ou fazer mais do que o esperado, se esforçando demasiada e desesperadamente para driblarem as limitações que acreditam ter; ou fazem menos, na tentativa de evitarem a constatação, diante do fracasso que para elas é inevitável, de que são realmente incompetentes;
  • Procrastinação: há um esforço inconsciente para se livrar/ distanciar da angústia de se engajar em uma atividade que levará ao “inevitável” fracasso. Dessa forma, essas pessoas perdem os prazos e sentem-se “travadas” na criatividade e iniciativa;
  • Fuga de exposição: o pior cenário para quem se sente impostor é a exposição. Pelo medo do julgamento e da crítica, essas pessoas procuram ficar sempre em uma posição de discrição, mesmo em situações que sejam relacionadas com o reconhecimento de seus trabalhos, como  por exemplo, a oportunidade de apresentarem um grande ideia em uma reunião.
  • Uso excessivo da carisma: por acreditarem que não estão no cargo por competência, essas pessoas sentem a necessidade de agradar a todos no trabalho, sujeitando-se inclusive a situações de humilhação.

Independente do padrão de funcionamento, as pessoas com essa síndrome apresentam sistematicamente comportamentos autossabotadores, de modo que prejudicam a sua performance, os resultados almejados e a percepção sobre eles.

A síndrome  tende a acometer mais mulheres do que homens e está relacionada com prejuízos na autoestima e autoconfiança. Vale ressaltar que apesar de não ser um diagnóstico psiquiátrico, a síndrome do impostor leva milhares de pessoas ao sofrimento e à falta de senso de realização pessoal. Além disso, pessoas com esse padrão mental costumam apresentar transtornos de ansiedade e/ou humor, o que gera a necessidade de tratamento psicológico e, muitas vezes, psiquiátrico.

Compartilhar
Maíra Mendes dos Santos
Pessoa apaixonada pela transformação humana. Tenho me capacitado fortemente para ser instrumento de promoção de saúde mental, auxiliando meus clientes a superarem conflitos, alcançarem seus objetivos e terem mais propósito na vida. Como psicóloga clínica, life e wellness coach, practitioner em PNL, pesquisadora, professora e palestrante, tenho conseguido transformar o conhecimento científico em cases de sucesso.



COMENTÁRIOS