Atualmente questiona-se nas famílias modernas alguns comportamentos inadequados das crianças e adolescentes e uma das possíveis causas, pode ser amor fraternal intenso ou até mesmo sentimento de culpa. A família é a base fundamental da educação humana, somente através do convívio familiar que adquirimos os valores morais e os padrões de vida.

Em meados dos séculos XIX, as regras estabelecidas pelos os pais e pelos educadores eram inquestionáveis, nos anos 50, os pais começaram a recorrer a uma nova atitude, passaram condenar a punição física e aprovar o dialogo e a amizade com os filhos, porém, estes diálogos passaram a ser uma conversa punitiva e não como uma forma de reflexão.

Nesta mudança de perfil, destaca-se o sentimento de culpa, que acontece devido à falta de tempo para com seus filhos, deixando-os de lado devido à necessidade de a mulher precisar trabalhar fora e a atenção adequada é substituída por presentes para compensar. Este comportamento dos pais ou responsáveis faz com que a criança sinta a falta de amor e carinho, transferindo este sentimento em desobediência para conseguir atenção.

Com este sentimento, os pais tendem a não mostrar segurança ao corrigi, e de alguma forma, demonstrar medo ou insegurança diante do comportamento agressivo da criança ou adolescente, que não corrigido de forma adequada, passa a realizar formas violentas como resposta ao comportamento agressivo dos filhos, gerando assim, consequências, o comportamento agressivo.

Os sentimentos negativos ou positivos dos pais refletem na educação dos filhos, ou seja, ao aplicar uma punição em função do seu estado emocional e não em função de um mau comportamento em si, os pais passam ensinar seu filho a discriminar o seu humor e não a reconhecer sob efeito de forte emoção, muita raiva, podendo trazer posteriormente o arrependimento.

A aprendizagem se dá em virtude das emoções envolvidas e não dos maus ou bons comportamentos que desejamos ensinar, o modelo agressivo dos pais tem influencia no comportamento dos filhos, devido a criança aprender a se comportar por imitação.

É importante destacar que, a criança ou adolescente submetido constantemente a punições físicas e psíquicas, não consegue aprender corretamente com os pais, ou seja, a punição só é capaz de controlar o mau comportamento diante daquele que pune. Crianças que apanham com muita frequência, podem se tornar apáticas, medrosas e desinteressadas.

As regras estabelecidas com os filhos devem ser criadas para permitir um relacionamento adequado entre os membros da família, os pais de certa forma não podem estabelecer regras ou castigos rígidos e difíceis de serem cumpridos, estes precisam ser possível de ser cumprido e principalmente que os pais consigam controlar-los.

Ao estabelecer regras,os pais precisam dialogar para que nem um dos dois tire o credito do outro, ou seja, que o pai, não retire o que a mãe colocou e vice-versa.

Portanto, o modelo representado pelos pais, geralmente, é um bom incentivo para as crianças, pois elas procuram imitar seus pais em tudo o que fazem, os filhos que tem atenção dos pais, nem que seja alguns segundos respondem de forma positiva os seus comportamentos.

Compartilhar

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Eanes Moreira dos Santos Maciel
Psicóloga clínica, (CRP 09/5798) fundadora, diretora e colunista do Descobrindo crianças que tem como objetivo descomplicar a infância sobre o olhar interprofissional. Graduada pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás, PUC – GO, Pós-graduada em Saúde da Família pela Universidade Federal de Goiás – UFG, Especialista em Terapia de Casais e Família pelo IEP/PUC-GO e em Dinâmica de Grupo e Coordenação de Equipe pelo CEAPG. Na sua trajetória profissional atuou na área de Politicas Publicas, com ênfase na área na Saúde e no Social. Ministrou aulas em cursos de especialização para o curso de Psicopedagogia. No momento atual direciono grande parte do meu tempo ao Descobrindo Crianças, visto que ele demanda uma maior dedicação.