Parece capricho, é sério. Vejo pessoas insistindo e se desgastando com relacionamentos que só as arrastam para o abismo. Entra ano e sai ano, e a peleja continua, o ciclo não fecha. E, sabe o que é pior? A outra parte não faz a menor questão de melhorar em nada, pelo contrário, a cada dia tem se mostrado indigna de qualquer sentimento positivo do parceiro.

Detalhe: nem estou falando de quem é casado(a), com filhos para justificar a insistência. Falo de vínculos bagunçados que não atam nem desatam. De um lado alguém se comporta com descaso, desrespeito, desdém; e do outro lado, alguém plantado em casa, o final de semana inteiro, à espera de uma mensagem ou de um sinal de fumaça.

Eu fico me perguntando o que alguém pode esperar de bom de uma pessoa que nunca retribui nada e, que deixa claro que não está na mesma frequência de interesse. Eu sei que a carência desregula o nosso senso crítico, mas há casos em que a falta de respeito por si mesmo(a) é algo surreal. Fica a impressão que a pessoa está se punindo, afinal, como pode permitir que o outro a faça de gato e sapato? A pessoa recebe uma migalha de vez em quando e trata isso como um banquete.


Eu sinto vontade de pegar a pessoa pelos ombros e dar uma chacoalhada, olhar nos olhos e dizer: querido(a), o que você está fazendo com a sua vida? Você está se acabando de angústia por alguém que não te enxerga. Acorda pra vida! Você merece isso? O que você está esperando dessa criatura que nunca te inclui na vida dele? É sério, eu escuto cada desabafo que me deixa com os nervos à flor da pele.

Num desabafo, uma moça me disse: meu namorado engravidou a vizinha dele, e já me traiu 8 vezes. Você acha que eu devo dar uma chance a ele? Prefiro nem comentar mais.

Photo by Eneida Nieves from Pexels

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

COMENTÁRIOS




Ivonete Rosa
Sou uma mulher apaixonada por tudo o que seja relacionado ao universo da literatura, poesia e psicologia. Escrevo por qualquer motivo: amor, tristeza, entusiasmo, tédio etc. A escrita é minha porta voz mais fiel.