Quando o assunto é o papel do homem, a sociedade automaticamente usa o discurso auto opressor que tende a generalizar situações, posturas e comportamentos.

A psicologia masculina caracteriza-se por suprimir manifestações afetivas, condenando-as como um sinal de fragilidade de quem as demonstre, vendo isso, como um sinal de vulnerabilidade, pondo em risco a imagem e o poder.

Atitudes como não revelar a vida intima, fragilidades e as incapacidades de empatia fazem com que o homem seja obrigado a seguir um comando inconsciente que a sociedade impõe. Enquanto alguns se transformam e modificam sua visão interior do masculino, outros resistem desesperadamente para preservar os valores tradicionais, com isso, o homem atual enfrenta conflitos e desafios.

Grande parte da infelicidade de nossa cultura é o fato de sermos estranhamente incapaz de perceber os nossos próprios sentimentos, deixamos de olhar internamente nossas emoções e o que realmente sentimos, para buscar no outro, estes sentimentos.

Essa incapacidade, não está somente no homem, atualmente, no ser humano em geral, daí partem as dificuldades de relacionamentos, sejam eles amorosos ou de amizade.

Já a mulher por toda sua formação, tem mais facilidade ao expressar sentimentos e emoções, uma das consequências para os homens, foi ter de empreender um esforço para compreender o que se passa à sua volta e com ele mesmo, ser a referência do sexo. Assim, a crise moderna masculina revelada enquanto colapso de identidade ganha frente ao que Robert Musil aponta como busca de uma vida melhor.

O homem está em uma fase de desconstruir para reconstruir, neste sentido, parte de uma perspectiva causal em que a construção da representação de uma “nova” mulher implicaria necessariamente a de um “novo” homem.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Eanes Moreira dos Santos Maciel
Psicóloga clínica, (CRP 09/5798) fundadora, diretora e colunista do Descobrindo crianças que tem como objetivo descomplicar a infância sobre o olhar interprofissional. Graduada pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás, PUC – GO, Pós-graduada em Saúde da Família pela Universidade Federal de Goiás – UFG, Especialista em Terapia de Casais e Família pelo IEP/PUC-GO e em Dinâmica de Grupo e Coordenação de Equipe pelo CEAPG. Na sua trajetória profissional atuou na área de Politicas Publicas, com ênfase na área na Saúde e no Social. Ministrou aulas em cursos de especialização para o curso de Psicopedagogia. No momento atual direciono grande parte do meu tempo ao Descobrindo Crianças, visto que ele demanda uma maior dedicação.