A palavra “complexo” foi recriada pela psicanálise, onde Sigmund Freud e Carl Jung trataram sobre o assunto. Em princípio, uma pessoa complexada é uma personalidade difícil de lidar, que tem algum tipo de complexo – que surge por causa – de uma compensação neurótica de um sentimento de superioridade ou inferioridade.

É importante dizer, se o complexo não for elaborado corretamente, ele pode gerar suposições que os indivíduos criam de si mesmos, que significa aumentar exageradamente a autoestima e se tiver o efeito contrário, tende a causar baixa estima. No entanto, não podemos ignorar que os complexos manifestam impulsos de proteção e agressão.

Hoje, o que mais chama atenção nas relações sociais é o complexo de superioridade, um conceito criado por Alfred Adler, que descreveu que esse complexo é um mecanismo de defesa que recorremos para lidar com os sentimentos de inadequação, que não correspondem às nossas expectativas internas.

Assim, os portadores do complexo de superioridade possuem atitudes desmedidas, que expõem que eles acreditam que são superiores aos outros. Entre suas características estão o desejo de dominar os fracos, desacreditar às opiniões alheias e projetar as coisas ruins sobre os demais, que julgam como seus subordinados.

Em geral, são sujeitos que se destacam por sua arrogância excessiva e ideias mirabolantes, que se refletem na maneira pensar, falar e agir, pois eles temem ser desprezados socialmente. É por isso, que recorrem ao complexo de superioridade como forma de sobreviver às exigências da sociedade.

Porém, são vistos, em certas ocasiões, como “bondosos” com seu próximo, já que conseguem ocultar que creem que são melhores que outrem. O que torna dificílimo conviver com eles, porque são relações que não abrem espaço para experiências positivas.

Em razão disso, o complexo de superioridade é uma reação neurótica como consequência do sentimento de inferioridade, que são expressões diferentes da mesma patologia. A insegurança desse comportamento – na maioria dos casos – são reflexos de traumas vividos na infância, como apontou Adler.

Não temos dúvidas, de que o complexo de superioridade apresenta construtos de “Complexo de Deus”, que é a crença de ser especial e de “Completo de Aristóteles”, que se refere às pessoas que acreditam que estão sempre certas.

Portanto, o caminho para compreender as origens desse problema é buscar a psicoterapia, que ajuda os sujeitos a se libertar da insegurança emocional, construir o amor-próprio e fortalecer a autoconfiança. Contudo, existem os que preferem continuar alimentando os efeitos danosos do complexo de superioridade.

***

Jackson César Buonocore é Sociólogo e Psicanalista

Photo by Josh Rocklage on Unsplash

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


Compartilhar

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Jackson César Buonocore
Jackson César Buonocore Sociólogo e Psicanalista