Esse tema traz um grande desafio para as nossas escolas públicas e privadas, para entender na perspectiva psicossocial porque elas estão em meio ao número crescente de casos de bullying, depressão e suicídios entre crianças e adolescentes. Por sua vez, é um aspecto novo por se tratar da fluidez do mundo líquido, onde tais fenômenos afetam a saúde mental da comunidade escolar.

Hoje, é inegável que a violência atinge os nossos jovens, envolvendo homicídios, agressões, automutilações, etc. É uma epidemia que tem interrompido centenas de vidas e sonhos, provocando uma onda de medo na sociedade e, por conseguinte, nas escolas.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) apontou que cerca de um em cada três estudantes entre 13 e 15 anos sofrem bullying regularmente no mundo. Também em termos mundiais o suicídio é a segunda causa de morte entre adolescentes, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

No Brasil, entre 2000 a 2015, os suicídios aumentaram 65% dos 10 aos 14 anos e 45% dos 15 aos 19 anos, conforme o levantamento do sociólogo Julio J. Waiselfisz, coordenador do Mapa da Violência no Brasil. E os dados atuais do Sistema Único de Saúde (SUS) indicam um aumento de 18% no suicídio de adolescentes de 10 a 19 anos no país.

Além disso, uma pesquisa digital realizada pela Revista Nova Escola, de 25 de junho a 19 de julho de 2018, com mais de 5800 educadores constatou que entre eles 66% já tiveram que faltar ou se afastar do trabalho por um problema de saúde. Em 53% dos casos, os afastamentos foram por questões de saúde mental.

Os números são assustadores e revelam um cenário de adoecimento biopsicossocial, que demandam que as institucionais de ensino busquem a prevenção da saúde mental do seu corpo docente, que pode transformar as escolas em um espaço mais compreensivo e acolhedor. Por isso, é importante desenvolver a prática da escuta e do diálogo afetuoso, com o objetivo de melhorar a comunicação e sensibilização no ambiente escolar, no que tange ao cuidado da saúde mental.

Assim, a promoção da saúde mental nas escolas precisa primar por uma formação lúdica, em que as trocas de experiências sejam um instrumento psicopedagógico mais generoso em uma comunidade de aprendizagem. O psiquiatra Cláudio Naranjo nos diz que a vida emocional e sentimental é geradora de conflito ou de cooperação, que é a base estruturante da vida, que dispõe de um papel fundamental nas escolas.

Então, é importante a presença de psicólogos e psicanalistas nas escolas para trabalhar essa temática e equilibrar as reações socioemocionais, com forma de enfrentar os problemas de saúde mental, já que a crise do mundo contemporâneo alcança o microcosmo escolar. O filósofo Edgar Morin nos alerta que a verdadeira crise da atualidade é a nossa incapacidade de constituir verdadeiras relações afetivas, que se tornou uma crise insustentável, mas que pode ser vencida dentro das escolas.

Imagem de capa: Pexels

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Jackson César Buonocore
Jackson César Buonocore Sociólogo e Psicanalista